Conteúdo Microsoft

Fintechs: estas startups estão a revolucionar o mercado financeiro

122

São startups que operam na área da FinTech – abreviatura de tecnologia financeira e sinónimo de disrupção num mercado que está a ser transformado de uma ponta à outra.

VALDA KALNINA/EPA

Em abril de 2016, Pedro Fonseca, líder da startup portuguesa CrowdProcess, afirmava ao Observador que o que distinguia as fintechs nacionais era a capacidade de “resolverem problemas com menos barulho”. A CrowdProcess desenvolveu uma aplicação para responder ao problema do crédito malparado, facilitando a análise dos riscos de crédito em bancos de média dimensão.

E foi com a James, o nome da aplicação, que esta startup arrecadou o título de melhor fintech europeia na maior conferência de setor do mundo – a Money 20/20 – e o interesse de vários investidores, incluindo membros do departamento financeiro da Google.

A tecnologia financeira está hoje a abalar um mercado que lida com um bem incontornável – o dinheiro e ativos financeiros – e a transformar a forma como as pessoas e empresas interagem com ele e através dele. Das bitcoins (moeda virtual) ao mobile banking, quase todas as áreas do setor financeiro estão a ser transformadas pela tecnologia no processo, na dinâmica e na interação com interfaces digitais. E as startups são as grandes responsáveis por isso: as cinco que se seguem, integradas no programa Ativar Portugal Startups, promovido pela Microsoft, estão a dar cartas no mercado além-fronteiras e no bolso das empresas e dos consumidores.

No âmbito da gestão de ativos, a fintech tem operado uma verdadeira revolução: acesso aberto às carteiras dos melhores investidores e a investimentos alternativos, conselhos estratégicos de investimento com base em algoritmos ou novos produtos financeiros são apenas alguns exemplos desta nova era.

De acordo com o relatório publicado recentemente pela PwC (Price Waterhouse Coopers), que recolheu a opinião de 500 executivos em todo o mundo, 40% dos entrevistados acredita que o segmento da gestão de investimentos é particularmente vulnerável à entrada de novos players tecnológicos, em particular no que respeita à automatização de alocações de ativos e gestão patrimonial e à sofisticação dos processos de análise de dados para identificar e quantificar riscos.

Economia, Negócios e Finanças, Mercado e câmbios, bolsa

EPA

Exemplo disso é a Zercatto, que facilita o que é um quebra-cabeças para a maior parte das pessoas: investir na bolsa e, claro, ter rentabilidade. A plataforma coloca em contacto uma lista de investidores expert que partilham a sua carteira de investimentos com os utilizadores da Zercatto. Estes pagam uma taxa fixa aos experts que seguem e uma comissão à plataforma se a rentabilidade for positiva em face das estratégias de investimento que lhes são aconselhadas. Trata-se de uma forma democrática, fácil e rápida de investir na bolsa com pés e cabeça.

A forma como as novas empresas acedem a financiamento também está a mudar. Várias plataformas oferecem a oportunidade a qualquer investidor – pequeno ou grande – de financiar startups, numa lógica de crowdfunding.

A Seedrs foi a primeira plataforma da Europa a permitir a qualquer pessoa investir numa startup, a partir de dez euros, na ótica do financiamento coletivo, que, neste caso, não é apenas crowdfunding, mas equity crowdfunding: em função do montante que investir, o investidor recebe o correspondente em ações da empresa.

Esta startup ajuda, assim, outras startups a angariar capital que, numa fase inicial, nem sempre é fácil de obter. Originalmente sediada em Londres, tem já escritórios em Lisboa e em Nova Iorque.

No âmbito da saúde financeira, as fintechs também estão a dar boas soluções terapêuticas. A Magnifinance, vocacionada para PMEs, comercializa um software de faturação certificado que promete fazer a gestão financeira de uma empresa em cinco minutos bancários. Como? Através da reconciliação bancária automática, registando todas as transações bancárias na plataforma e associando-as às respetivas faturas. Esta startup promete, assim, automatizar 90% das tarefas de gestão financeira.

Por sua vez, a PetaPilot desenvolve produtos e plataformas tecnológicas para análise de dados de grande dimensão ou volume – Big Data – permitindo às empresas acompanharem facilmente a sua performance financeira, legal e comercial, ao mesmo tempo que facilita a identificação de consistências entre vendas e faturas ou impostos. Desta forma, a deteção de fraude é também um dos principais serviços desta startup.

Se a expressão “mobile wallet” não lhe diz ainda nada, então é tempo de fazer uma visita às inúmeras aplicações que já existem nos vários mercados. Trata-se basicamente de uma carteira virtual e móvel (porque é o seu smartphone) que lhe permite não só pagar as suas compras sem utilizar um cartão físico como também ter acesso a promoções e outras ofertas diretamente no seu smartphone.

A startup Passworks otimiza precisamente a relação das marcas com os seus clientes através de mensagens ou notificações com base na localização. Imagine que passa à porta de uma loja ou que está na área de shopping do aeroporto.

Poderá receber automaticamente no seu smartphone novidades ou promoções existentes nesses espaços e pagar diretamente sem dinheiro vivo ou cartão de crédito. É a associação perfeita entre conteúdos geolocalizáveis e a personalização da comunicação com o consumidor.

O conteúdo é gerido através das plataformas de mobile wallet existentes, como a Windows Phone Wallet, a Google Wallet ou a Apple Passbook.

Num setor tão impactante como o financeiro, estas soluções estão a mudar a forma como é pensado, gerido e otimizado. Pelo ritmo acelerado e a disrupção que as tem caracterizado, a inovação não vai parar por aqui.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)