Rádio Observador

Banco de Portugal

Elisa Ferreira. Convite para o Banco de Portugal veio de Carlos Costa

Elisa Ferreira revela que o convite para integrar administração do Banco de Portugal veio do governador. A eurodeputada socialista alerta para as falhas da união bancária europeia.

FERNANDO VELUDO/LUSA

O convite a Elisa Ferreira para integrar o conselho de administração do Banco de Portugal veio do governador, Carlos Costa, afirmou a eurodeputada esta terça-feira na audição que está a realizar no Parlamento, no quadro da sua designação para o cargo.

Na sua apresentação inicial, Elisa Ferreira manifestou o empenho em colocar a sua experiência profissional ao serviço país. Apesar de ter “consciência de que assumir competências na supervisão é capitanear um navio que atravessa águas muito agitadas”. A eurodeputada destaca um conselho de administração em “profunda remodelação” que se está a ajustar às novas exigências de supervisão financeira e o desafio que a levou a aceitar o convite feito pelo governador.

As novas regras de designação de membros do conselho de administração estabelecem que o governador passa a ter o poder para propor nomes, cuja nomeação é da competência do governo, com uma audição prévia no Parlamento. Elisa Ferreira diz que o convite que recebeu foi uma “proposta assumida ao mais alto nível pelo Banco de Portugal” e validada pelo ministro das Finanças.

Quando confrontado com a notícia de que Elisa Ferreira iria ocupar o cargo de vice-governadora do Banco de Portugal, Carlos Costa não confirmou, lembrando que competia ao governador definir quem ocupa os cargos no conselho e que em devido tempo iria formalizar as suas propostas para a administração do supervisor.

Elisa Ferreira começou por detalhar o seu currículo profissional, que passou pelo governo e parlamento nacional, destacando a experiência de 12 anos enquanto eurodeputada (eleita pelo PS) onde contribuiu para a negociação e elaboração das novas regras de supervisão financeira, em particular no que toca à união bancária. No entanto, realça, isso não significa que não seja crítica em relação aos aspetos menos conseguidos.

A eurodeputada reafirmou críticas feitas esta terça-feira numa conferência sobre a banca em relação a falhas das regras europeias de resolução bancária que podem ter consequências gravíssimas. “Faltam peças fundamentais”, como um mecanismo de financiamento do fundo de resolução europeu e acima de tudo uma garantia única de depósitos. É o pilar que falta, diz.

Sobre o principio do bail-in, perda internalizada para credores dos bancos, Elisa Ferreira alerta para o efeito do limite de 8% do passivo do banco, imposto pelas regras europeias para intervenções públicas em instituições bancárias. Esta regra genérica pode implicar perdas significativas para credores seniores e grandes depositantes (mais de cem mil euros), podendo gerar um risco sistémico.

Alerta ainda para o facto de nenhuma ajuda de Estado aos bancos ser autorizada sem imputação de custos aos acionistas. E se “o acionista for público, quem sofre as perdas”? Os contribuintes. Foi o que aconteceu no Banif. E fica o acionista público impedido de responder às necessidades de capital de um banco do Estado? São as restrições que condicionam a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos que terá de ser feita até 2017.

Reconheceu ainda que o aumento das necessidades de capital e a baixa rentabilidade da banca dificultam a atratividade dos capitais privados, o que acelera a fragilização das instituições bancárias nacionais.

Para a eurodeputada, “não basta olhar para a instituição (Banco de Portugal) e apontar-lhe todas a pelo que vier a acontecer”. E alerta para a necessidade de concertação de esforços e responsabilidade dos atores nacionais e internacionais. Elisa Ferreira sublinha ainda é importante apurar responsabilidades passadas, salientando as conclusões saídas da comissão de inquérito ao Banco Espírito Santo e as que vierem a resultar do inquérito ao Banif.

.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)