Contratos de Associação

Manifestação em defesa dos contratos de associação: “Somos 40 mil aqui hoje”

2.173

Pais, alunos e professores concentraram-se à porta do Parlamento para protestar contra os cortes nos contratos de associação. "Pedimos que o Estado veja a realidade", disseram os manifestantes.

António Cotrim/LUSA

Autor
  • João Pedro Pincha

“Para a direita! Para a direita!” O pedido do speaker tinha mais de logístico do que de ideológico. A multidão de pais, alunos e professores que subia a Avenida D. Carlos I em direção à Assembleia da República era grande e convinha arrumar o melhor possível aquela gente. Por isso, as pessoas que se dirigissem para a direita, Rua de São Bento acima. Mas é certo que também na ideologia havia uma tendência clara entre os manifestantes: o que mais se ouviu em frente ao Parlamento foram críticas à maioria de esquerda e ao Governo, acusados de quererem restringir a liberdade dos pais.

Ainda não eram 15h, hora marcada para o início do protesto, quando a pequena praça em frente ao Parlamento começou a compor-se. Milhares de manifestantes saíram da Avenida 24 de Julho entoando cânticos, tocando vuvuzelas e tambores. A manifestação foi convocada pelo movimento Defesa da Escola Ponto contra os cortes nos contratos de associação entre o Estado e algumas escolas privadas. Segundo a organização, participaram 40 mil pessoas no protesto e muitas não conseguiram chegar ao Parlamento.

manif colégios assembleia

Os manifestantes em frente à Assembleia da República. Foto: João Pedro Pincha/Observador

Foi uma manifestação em jeito de festa. Em frente às escadarias da Assembleia, o movimento montou um palco por onde passaram, ao longo da tarde, grupos artísticos de várias escolas. Coube à Banda Juvenil Salesiana de Poiares a abertura do espetáculo, que continuou depois com fanfarras, demonstrações de ginástica e de dança. Durante todo o protesto, os manifestantes estiveram organizados conforme o colégio de onde vinham e vestidos de amarelo, a cor escolhida pelo movimento em defesa dos colégios privados e cooperativos.

As pessoas vieram igualmente apetrechadas de outros objetos. Por entre a mancha humana foi possível ver frigideiras, tachos, pandeiretas, tambores, apitos e cartazes. Muitos cartazes, com mensagens mais ou menos inspiradas. “Os nossos impostos podem escolher?”, lia-se num dos maiores. “A minha escola é a melhor. Ponto” era uma das frases que mais se encontravam. Noutros cartazes podia ler-se “Eu não sou um contrato, sou uma criança”. Um manifestante trouxe um escaparate com fotografias de Mário Nogueira, da secretária de Estado da Educação e do ministro Tiago Brandão Rodrigues em vestidos de noiva. Chamou-lhes “Noivas de Santo António”.

Num misto de manifestação reivindicativa e desfile de talentos, o speaker elogiava os manifestantes e incitava-os a fazer barulho. “Vamos tornar esta onda amarela a maior de sempre em Portugal. Vocês são incríveis”, disse. Pouco depois, assumindo um falso ar sério, pediu “trinta segundos de silêncio” para dar “uma má notícia”. A multidão calou-se: “Tenho uma má notícia…para o Governo. Somos quarenta mil aqui hoje.”

manif colégios observador

O colégio de Santa Maria de Lamas foi um dos que esteve mais representado. Foto: João Pedro Pincha/Observador

Entre os que vieram do Norte do país num comboio especialmente alugado para o efeito estavam centenas de pessoas do Externato Delfim Ferreira, em Riba de Ave, a meio caminho entre Santo Tirso e Guimarães. “Que o Estado veja, que o Estado se dirija às nossas localidades e veja a realidade. São realidades muito diferentes de Lisboa, Porto e Coimbra”, disse ao Observador uma trabalhadora daquele colégio, que também tem uma filha a estudar lá, que se identificou como Elsa. Nascida e criada em Riba de Ave, diz que a terra “é um meio difícil” e que “nada mudou” nos últimos 32 anos, quando ela própria estudou no Externato Delfim Ferreira. Ou seja, a indústria não existe, o emprego escasseia e a escola pública que lá existe “não tem qualidade”. A melhor alternativa da rede de escolas do Estado, diz, fica a 12 quilómetros. “Eu vou mandar uma criança de nove anos para Famalicão? Não há rede de transportes”, queixa-se.

Ângela Ribeiro, professora daquele externato, podia ter mandado a filha para uma escola do Estado existente “mesmo ao lado” da sua casa. Mas decidiu matriculá-la num colégio com contrato de associação a 30 quilómetros. “Faço 60 quilómetros por dia por minha livre escolha”, diz ao Observador, antes de se manifestar “ultrajada” pela intenção do Ministério da Educação, que quer cortar o financiamento público a turmas destes colégios privados — a maioria dos quais se encontram em zonas onde até há poucos anos não existia oferta de escolas estatais.

Enquanto, no palco, decorriam as performances artísticas, o diretor do movimento Defesa da Escola Ponto falava aos jornalistas sobre a manifestação que ajudou a organizar. “Faço um balanço formidável”, disse Manuel Bento, que sublinhou o facto de as escolas com contratos de associação fazerem parte da rede pública de educação e de promoverem “uma competição saudável” entre estabelecimentos de ensino. O responsável negou que esta manifestação tivesse um caráter corporativo e argumentou que se tratava de um protesto “da família”. “O movimento não se interessa por qualquer negócio”, disse Manuel Bento.

As pessoas começaram a abandonar o Parlamento por volta das 16h50, já depois de uma dança ao som de “Juntos Somos Mais Fortes”, dos Amor Electro. Às 17h, os muitos que ainda estavam na Rua de São Bento entoaram o hino nacional e a manifestação acabou definitivamente.

Para perceber o que está em causa, leia o nosso Explicador: “Contratos de associação. O que são, o que pedem e o que vai mudar”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Contratos de Associação

O fim de um princípio

Ana Rita Bessa
1.167

Diminui o número das escolas com contratos de associação, mas há mais alunos no ensino privado. O que sugere que tais colégios perderam a diversidade, tendo saído, sem escolha, os que não podiam pagar

Educação

A extinção dos contratos de associação /premium

Alexandre Homem Cristo
498

Nas situações em que as escolas com contrato de associação prestam um serviço educativo melhor que a escola estadual, qual o sentido de extinguir o contrato e optar pela pior solução para os alunos?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)