Observe estes endereços: exem.plo@gmail.com e exemplo@gmail.com. Vê a diferença, certo? Um tem ponto, o outro não.

E se lhe disséssemos que, apesar de tudo, são o mesmo endereço de correio eletrónico? Isso mesmo: ter ou não ter ponto é exatamente a mesma coisa, escreve Will Oremus, da revista norte-americana Slate, num artigo republicado este domingo pela Business Insider.

A explicação é simples. Quando o Gmail foi criado, a Google terá decidido ignorar os pontos nos endereços dos utilizadores. Ou seja, enviar uma mensagem para exemplo@gmail.com ou e.x.e.m.p.l.o@gmail.com é absolutamente igual ao litro. A caixa de entrada é a mesma e pertence única e exclusivamente ao detentor do nome de utilizador “exemplo”. O mesmo princípio aplica-se também às letras maiúsculas: escrever exem.plo@gmail.com ou eXeM.pLo@gmail.com é a mesma coisa, explica a própria Google numa página de suporte dedicada ao efeito.

Atenção: isto só acontece nos endereços do Gmail (pelo menos no que diz respeito ao ponto). Nos outros serviços, como o Outlook (ex-Hotmail), Yahoo, iCloud e restantes, o ponto faz efetivamente a diferença. Próximo do Gmail está apenas o Facebook, que também ignora os pontos nos nomes dos utilizadores — isto é, facebook.com/exemplo é igual a facebook.com/exem.plo. Já no caso do Twitter, nem sequer é permitido usar pontos nos nomes de utilizador.

Mas há mais. No caso específico do Gmail, escrever exemplo@gmail.com ou exemplo+exemplo@gmail.com é também a mesma coisa, uma vez que o serviço está configurado para ignorar o símbolo “+” e tudo o lhe estiver à frente. No entanto, é possível usar estas variantes para filtrar correio: por exemplo, ao registar-se num serviço, se indicar o endereço exemplo+servico@gmail.com saberá que todas as mensagens que chegarem através dessa variante foram-lhe enviadas por ter fornecido o seu endereço a esse serviço específico, tornando-se mais fácil separar os vários tipos de correio com as ferramentas de filtragem do Gmail.

Atualizado às 23h04.