A carteirista mais velha do País viajou sozinha de autocarro para Amarante para poder fazer mais um furto. Joaquina Gonçalves, 85 anos, foi traída pela fama e acabou por ser reconhecida pela GNR logo após a queixa-crime no posto. “Quina”, como é conhecida, colaborou com as autoridades e deixou que a polícia a revistasse. Mas voltou a alegar ter encontrado a carteira no chão e nunca assumiu que furtou.

“Quina” anda a encontrar carteiras no chão há anos. As informações de que é carteirista correm nas bases de dados policiais e foram, há duas semanas, tornadas públicas, quando foi condenada pelo Tribunal de Pequena Instância do Porto a cinco meses de cadeia, suspensos por um ano. A juíza avisou-a de que, durante esse ano, não poderia cometer qualquer crime, caso contrário seria presa efetivamente.

A carteirista não deixou sequer passar o tempo da sentença transitar em julgado e ter efeito. No último sábado apanhou um autocarro no Porto rumo a Amarante, onde decorriam as festas da cidade, as Festas do Junho. E atuou.

Segundo afirmou fonte da GNR ao Observador, Quina terá aproveitado o pequeno descuido de uma mulher ali residente. A vítima terá pousado a mala para preparar os andores da festa junto ao Mosteiro de São Gonçalo. Quando regressou à mala, para tirar dinheiro para contribuir para a festa, não tinha carteira.

Há duas semanas que a fotografia de Quina correu os jornais e televisões por ter sido condenada em julgamento sumário a um furto de carteira. Joaquina ganhou a fama de, aos 85 anos, ser a carteirista mais velha do País. E os militares da GNR guardaram na cabeça o seu retrato. Foi por isso que, mal as patrulhas foram avisadas do furto, procuraram Joaquina.

“Abordámos a suspeita e ela colaborou. Permitiu que a revistássemos”, diz a fonte.

Por baixo do casaco que trazia no braço estava a carteira. O dinheiro já estava num bolso. Duas notas de 10 euros e uma de cinco — precisamente o que a vítima disse ter na carteira. Quina disse às autoridades que tinha encontrado a carteira no chão, junto ao terminal de autocarros. E que o dinheiro era dela. Versão que não convenceu a GNR.

Joaquina foi identificada, mas não foi sequer constituída arguida porque não foi apanhada em flagrante delito. Corre agora a investigação para apurar se foi, de facto, ela quem furtou a carteira. Mas o mais certo é que o processo seja arquivado.

“O Ministério Público há-de contactar a vítima para que ela se constitua assistente. E isso tem custos. Não lhe deve interessar, porque a carteira e o dinheiro foram recuperados”, disse a fonte da GNR.

Aviso da juíza não foi suficiente

Foi precisamente o que aconteceu há pouco mais de um ano, quando a PSP do Porto apanhou Quina durante a Queima das Fitas. A 5 de maio. A vítima, de 92 anos, acabou por desistir da queixa quando a carteira foi recuperada. Um ano depois, “Quina” não teve a mesma sorte”. Também na Queima das Fitas, a 3 de maio, foi apanhada quando tentava livrar-se de uma carteira furtada minutos antes. E no âmbito desse processo acabou condenada, há duas semanas, a cinco meses de cadeira suspensos por um ano.

“Cremos que a mera ameaça do cumprimento de pena de prisão agora publicada à arguida realizará de forma adequada e suficiente as finalidades de punição”, lê-se no acórdão da condenação.

Ao Observador, o advogado da suspeita, Pedro Fonseca, conta que a sentença ainda não transitou em julgado. “Ainda decorre o prazo para recurso e eu ainda pondero recorrer da medida da pena”, explica. Só depois de transitar em julgado, e caso Joaquina seja condenada por ter cometido um crime durante o ano da suspensão, é que será presa efetivamente. O que não deverá acontecer com o alegado crime praticado em Amarante, que deve acabar por ser arquivado.

No cadastro de Joaquina há já três condenações. Uma, em 2004, deveu-se a um crime de maus tratos e sobrecarga de menores. Joaquina foi acusada de obrigar os a dois netos, que vivem com ela, a mendigarem. Nos outros dois casos, um em Tomar, em 2003, e outro em Barcelos, em 2012, foi condenada por furto ao pagamento de multas.

Ainda assim, o seu advogado recusa a ideia de que tenha sido carteirista toda a vida.

“Trabalhou como cozinheira e a vender em feiras. Teve uma vida de trabalho duro”, disse o advogado.

Joaquina é divorciada, não sabe ler nem escrever. Vive em Ermesinde com dois netos e tem uma reforma de 300 euros. A polícia diz “que se mexe muito bem”. Daí a facilidade em apanhar autocarros para outras cidades. Sempre que foi intercetada com carteiras na mão, disse ter tropeçado nelas na rua. E já tropeçou algumas vezes.