Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Seria a resposta de Adolf Hitler ao sucesso da empresa britânica “Butlins”, mas nem uma única pessoa chegou a pernoitar no magnificente edifício do hotel “Prora”. Também chamado de “O Colosso” pelos alemães, este é um edifício que se estende ao longo de três quilómetros numa praia da ilha alemã de Rugen, na baía entre as regiões de Sasnitz e Binz, no mar Báltico. Com 10 mil quartos, todos eles com vista para o mar, este hotel é o maior do mundo e está a apenas 150 metros da água. Mas nunca foi utilizado como tal.

O líder nazi mandou construir Prora em 1936, no âmbito do programa “Kraft durch Freude” ou, em português, “Força pela Alegria”. A missão do programa era expor 20 mil pessoas – a capacidade do hotel – à propaganda nazi. Além do número colossal de quartos, o hotel tinha também um cinema, um teatro, um salão de festas e várias piscinas. Mas a construção do edifício foi interrompida em 1939 com, o início da II Guerra Mundial, quando o complexo estava praticamente terminado. Os nove mil trabalhadores que estavam destacados na ilha alemã foram então transferidos para fábricas de armas.

Durante a II Guerra Mundial, Prora serviu de refúgio para os habitantes de Hamburgo durante os bombardeamentos dos Aliados. Quando a guerra terminou, passou a ser utilizado para fins militares pela Alemanha Oriental, mas voltou a ser deixado ao abandono quando o Muro de Berlim caiu, em 1989. Agora foi leiloado por cerca de 2.8 milhões de euros a uma empresa privada que quer transformar o hotel num complexo de férias.

Veja as imagens do exterior e do interior de Prora na fotogaleria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR