Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa enaltece “missão histórica” e “lições” de Ramalho Eanes

O Presidente da República enalteceu o legado político do general Ramalho Eanes na institucionalização da democracia em Portugal, dizendo que o primeiro Presidente em democracia teve a missão histórica de "aplanar confrontos e de estabelecer pontes".

Tiago Petinga/LUSA

O Presidente da República enalteceu o legado político do general Ramalho Eanes na institucionalização da democracia em Portugal, dizendo que o primeiro Presidente em democracia teve a missão histórica de “aplanar confrontos e de estabelecer pontes”.

“Aquelas semanas de campanha não haviam sido simples. A revolução continuava naturalmente presente na Constituição e no arranque da sua vigência. Vossa Excelência teve nesse contexto a missão histórica de abrir caminhos, de aplanar confrontos, de estabelecer pontes e o veredicto popular foi eloquente”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República discursava na Fundação Calouste Gulbenkian, numa sessão evocativa dos 40 anos das eleições presidenciais de 1976, que deram a vitória a António Ramalho Eanes com 61,4% dos votos.

Marcelo Rebelo de Sousa, que acompanhou há 40 anos a campanha presidencial como subdiretor do semanário Expresso, disse hoje reter lições da forma como Ramalho Eanes exerceu o mandato.

A primeira das quais, disse, é a lição sobre “o papel crucial do Presidente da República em clima de radicalização de posições e de atitudes, corporizando o máximo denominador comum em torno dos valores nacionais” e “resistindo a substituir-se ou a imiscuir-se em outros órgãos de soberania ou instâncias do poder”.

Outra lição, sublinhou, “é que ignorar ou minimizar as Forças Armadas por ação ou omissão das Forças Armadas é não apreender uma componente essencial da identidade pátria”, além de “não perceber os desafios da segurança global” da atualidade.

A persistência das “linhas de política externa não sujeitas a impulsos ou estados de alma conjunturais”, entre as quais a “fidelidade à Aliança Atlântica e o persistente rumo de integração europeia” são outras “lições” que Marcelo Rebelo de Sousa disse reter do legado de Ramalho Eanes que, frisou, foi enriquecido pelos seus sucessores.

No final da evocação, que contou também com uma intervenção do ex-reitor da Universidade Católica Manuel Braga da Cruz, Marcelo Rebelo de Sousa entregou a Ramalho Eanes o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique, que o ex-Presidente da República agradeceu como uma “generosidade excessiva”.

Os ex-presidentes da República, Jorge Sampaio e Cavaco Silva, o presidente da Associação 25 de Abril, e ex-conselheiro da Revolução Vasco Lourenço, o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, a líder do CDS-PP Assunção Cristas, os presidentes dos tribunais superiores, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, compareceram à evocação.

O candidato presidencial que ficou em segundo lugar na corrida presidencial de 1976, Otelo Saraiva de Carvalho, também marcou presença.

Após a cerimónia evocativa, o Presidente da República visitou, com Ramalho Eanes ao lado, uma exposição sobre as primeiras eleições presidenciais, que reúne cartazes da campanha eleitoral e jornais da época, entre os quais o semanário Expresso do qual Marcelo Rebelo de Sousa era, há 40 anos, subdiretor.

Durante a visita à exposição, deu-se um reencontro entre Otelo Saraiva de Carvalho e Ramalho Eanes: “Então António, estou aqui há tanto tempo e ninguém me liga”, disse Otelo, ao mesmo tempo que se abraçava de forma emocionada a Ramalho Eanes, que retribuiu com a mesma emoção.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Marcelo Rebelo de Sousa

A trágica criatura /premium

Helena Matos
1.136

Marcelo anunciou que tem um princípio básico: atestar o carro no fim de cada viagem. Não é uma anedota. É isso mesmo que o PR faz perante cada crise: diz que logo se pronunciará entretanto vai atestar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)