Segundo a JATO Dynamics, empresa líder no fornecimento de informações relativas ao mercado automóvel, as vendas na Europa continuam em evolução positiva, sendo os registos do passado Maio os melhores resultados nesse mês desde 2012. Face ao período homólogo do ano anterior, as vendas cresceram 15,1%, para um total de 1.330.000 unidades – o segundo melhor resultado deste ano.

O aumento das vendas foi impulsionado pelo crescimento em quatro dos cinco maiores mercados europeus, sendo de destacar a Itália, com um incremento de 28%, e a França, com uma subida de volume de 22%. Bélgica, Polónia, República Checa, Grécia e Hungria também registaram aumentos significativos.

A Renault é a grande protagonista das vendas de Maio, superando a marca de 100.000 unidades, a que corresponde um aumento de 34%. Vendeu, precisamente, 101.476 veículos. A performance da marca francesa deve-se, sobretudo, à procura no seu mercado doméstico, pois só em França as vendas cresceram 33%. Itália, Alemanha e Espanha foram outros dos países onde os modelos da Renault registaram um crescimento da procura. Este desempenho valeu à marca do losango um aumento da sua quota de mercado (7,7%) face a Maio de 2015 (6,6%), atingindo o resultado mais alto de Maio desde 2010. A subida ancora-se, principalmente, no impulso dos segmentos dos SUV e dos veículos subcompactos, que reclamaram crescimentos de 79 e 26%, respectivamente. Ou seja, Captur e Clio foram as estrelas, com vendas de 19.960 e 30.854 unidades, respectivamente.

A Volkswagen foi a marca mais vendida, com 148.635 unidades, o que lhe confere uma quota de mercado de 11,2%. Ainda assim, a marca alemã teve em Maio passado o seu pior Maio desde 2008, em termos de quota, devido ao declínio das vendas em grandes mercados como a Alemanha e Espanha – cada um com uma queda de 1%. A Holanda foi o país que acusou a descida mais dramática para a Volkswagen (17%), enquanto as vendas no Reino Unido caíram 7%.

A Volkswagen e a Renault foram seguidas por outros três grandes construtores generalistas: a Ford (87.662 unidades), que foi afectada pelas vendas no Reino Unido, a Opel/Vauxhall (87.181 unidades), que também viu as suas vendas nesse mercado caírem 21%, e a Peugeot (80.089), que beneficiou do maior dinamismo do mercado francês.

O aumento das vendas na Europa deve-se, em boa parte, aos SUV e aos carros desportivos, segmentos que protagonizaram um crescimento do volume de vendas de 29 e 28%, respectivamente.