Cinema

Sete filmes para os 70 anos da Vespa

305

Entre Willam Wyler e Nanni Moretti, Audrey Hepburn e Peter Sellers, e até uma animação, eis sete filmes onde a Vespa é a vedeta e com os quais Eurico de Barros assinala o seu septuagésimo aniversário

Autor
  • Eurico de Barros

A indústria e a economia da Itália pós-II Guerra Mundial estavam em mísero estado, assim como as estradas do país, e a Vespa, saída das mãos dos “designers” e dos engenheiros da Piaggio, impôs-se rapidamente como um meio de transporte barato, prático, económico e rápido para aqueles que não podiam comprar um carro, entre os quais se encontravam muitos jovens, tornando-se nos anos seguintes, num símbolo por excelência do estilo de vida italiano.

Quando em 1953, Gregory Peck e Audrey Hepburn surgiram montados numa Vespa, cruzando veloz e alegremente as ruas de Roma, em “Férias em Roma”, de William Wyler, a popularidade da Vespa deu um salto enorme, nomeadamente no estrangeiro, e as suas vendas dispararam – e também em Itália. A partir daí, a motorizada começou a aparecer com regularidade no cinema, e não apenas em comédias românticas. Nos 70 anos da Vespa, eis sete filmes onde ela se manifesta com destaque.

“Férias em Roma” (William Wyler, 1953) – Este clássico onde Audrey Hepburn interpreta uma princesa europeia de férias em Roma que, entediada, foge à severa vigilância daqueles que a rodeiam e vai, incógnita, viver um romance com um jornalista americano (Gregory Peck), trouxe a Vespa para a ribalta cinematográfica. E tornou-a num símbolo de fuga às convenções e constrangimentos sociais, bem como num ícone da paisagem da Cidade Eterna, dentro e fora das fitas.

“Roma à Mão Armada” (Umberto Lenzi, 1976) – Este policial de acção assinado pelo veteraníssimo e versátil Lenzi, e interpretado por nomes como Arthur Kennedy, Tomas Milian e Maurizio Merli, mostra a outra utilização que os delinquentes italianos davam às Vespas em cidades como Roma, conduzindo-as para fazer roubos de esticão e para fugir com mais rapidez e facilidade aos carros da polícia que os perseguiam. Após este filme, as Vespas começaram a aparecer muito mais nos policiais italianos.

“A Vingança da Pantera Cor-de-Rosa” (Blake Edwards, 1978) – Sim, há uma Vespa numa aventura do super-trapalhão Inspector Clouseau, interpretado por Peter Sellers, e é uma das principais protagonistas da grande perseguição do filme, que envolve também outros veículos, nas ruas de Hong Kong. Guiada a toda a velocidade por Cato (Burt Kwouk), o fiel criado de Clouseau, a Vespa, pertencente a um vendedor de gelados, acaba na água, juntamente com o seu condutor, tal grande parte dos participantes nesta confusão motorizada.

“Quadrophenia” (Franc Roddam, 1979) – Na Inglaterra dos anos 60, os Mods, grandes rivais da outra tribo juvenil, os Rockers, tinham a Vespa como acessório indispensável da sua imagem, e quanto mais enfeitada, melhor. Jimmy (Phil Daniels), o jovem herói deste filme que traz para a tela o enredo do duplo álbum “Quadrophenia”, dos The Who, editado em 1973, conduz uma vistosa e potente Vespa GS, parte essencial da sua identidade de Mod e na qual procura evadir-se a um quotidiano triste e monótono.

“Absolutamente Principantes” (Julien Temple, 1986) – Colin (Eddie O’Connell), o fotógrafo de 19 anos protagonista deste estilizado filme de Julien Temple passado na Londres de finais da década de 50 e que adapta o livro de Colin MacInnes, desloca-se numa Vespa pelas ruas da cidade onde deseja vingar, e ajudar a sua namorada e tornar-se numa modelo famosa. A Vespa de Colin vai revelar-se fundamental quando as tensões raciais nas ruas acabam por se traduzir em confrontos violentos.

“Querido Diário” (Nanni Moretti, 1993) – E eis-nos de novo nas ruas de Roma, em pleno Verão, quando a cidade está mais esvaziada de habitantes, na companhia de Nanni Moretti. Este, no primeiro segmento de “Querido Diário”, decide ir passear de Vespa pelas ruas limpas de gente e trânsito da capital italiana e seus arredores, levando-nos no encalce e contando algumas histórias pelo meio. Desde “Férias em Roma”, ali filmado 40 anos antes, que Roma e a Vespa não estavam tão bem uma como a outra.

“Ratatouille” (Brad Bird, Jan Pinkava, 2007) – Quando Remy, o ratinho apaixonado por cozinha de “Ratatouille”, rouba um precioso papel ao “chef” vilão em “Ratatouille”, este vai atrás dele pelas ruas de Paris, e até ao Sena,conduzindo uma bonita Vespa vermelha. Fazendo assim com que esta jubilatória animação de longa-metragem da Pixar/Disney, vencedora do Óscar da respectiva categoria, inclua uma das grandes sequências de perseguição da história do cinema onde aparece, e brilha, uma Vespa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)