Michael Phelps não foi o único. Outros atletas olímpicos foram fotografados nos últimos dias com marcas roxas em forma de círculo na pele. Mas o campeão das 22 medalhas de ouro — para já — não passou despercebido e as suas vitórias foram (quase) abafadas pela curiosidade relativamente à sua pele. Cupping ou ventosaterapia: é o que significam as suas marcas. O The Guardian questionou se as ventosas não seriam meramente uma superstição de atletas e João L. Monteiro, num texto de opinião publicado no Observador, comparou-as às pulseiras do equilíbrio famosas há alguns anos.

Superstição ou não, o Google Trends reportou um aumento de 2,100% na procura por “círculos do Michael Phelps” e, no dia em que o atleta apareceu com as marcas, o The Guardian afirmou que, tanto no Twitter como no Google, esta frase foi mais pesquisada do que as palavras “medalhas olímpicas”.

588323068_770x433_acf_cropped

As marcas não mentem: o ultramedalhado Michael Phelps faz ventosaterapia. (Foto: MARTIN BUREAU/AFP/Getty Images)

Mas o cupping não é de hoje. Já em 2004, a BBC falava das celebridades rendidas a esta terapia, como Gwyneth Paltrow fotografada na estreia de Anchorman com círculos castanhos nas costas. E para os fãs da medicina tradicional chinesa esta é uma terapia antiga que volta agora a ganhar interesse com os atletas no Rio de Janeiro. O lado bom desta moda para os comuns mortais? Para além de diminuir dores musculares, o cupping tem benefícios como a melhoria da celulite, das cicatrizes e da má circulação, entre outros.

O que é o cupping?

O cupping é uma espécie de acupuntura que exerce sucção sobre a pele através de calor ou aparelhos próprios que fazem pressão de ar. O vácuo que é criado puxa o sangue (o que cria as tais marcas), melhora a circulação sanguínea e relaxa os músculos e as articulações. Também se acredita que o cupping tem efeitos anti-inflamatórios e ajuda no alívio de dores. Hélder Flor, especialista em Medicina Chinesa, explica que as ventosas são mais eficazes do que uma massagem porque estimulam muito mais a circulação e, para se conseguir os mesmos efeitos, teria que se massajar uma zona do corpo durante duas horas. “O efeito de sucção na pele faz com que o ar quente dentro dos copos tenha uma densidade mais baixa e, à medida que arrefece junto à pele, diminua a tensão no local.”

A polémica do cupping

Tal como tem acontecido no confronto medicina oriental versus ocidental, a “terapia dos copos” está envolvida em várias polémicas. A principal é a de que todo este teatro não faz nada a não ser deixar marcas na pele — tal como um romântico “chupão”. Trocando por miúdos, não deixa de ser “banha da cobra”. O jornal britânico Independent escreve que a única coisa que Phelps e Paltrow têm em comum é que ambos têm uma grande quantidade de dinheiro, o que lhes permite gastá-lo em qualquer capricho, não importa quão cientificamente infundado seja.

Por outro lado, a revista Time relembra os mais de 500 estudos que já foram feitos e demonstram benefícios da ventosaterapia em condições de dor, com resultados positivos a curto prazo. Além disso, nenhum dos estudos revelou contraindicações graves a partir desta prática. E novas celebridades estão, agora, curiosas com esta terapia, como Kim Kardashian.

Os benefícios da ventosaterapia

Polémicas à parte, esta terapia tem vindo a ter efeitos positivos também em situações estéticas, como celulite e cicatrizes. Já em 2015, a revista Glamour falava da “Cupping Massage” realizada no spa do Four Seasons Los Angeles que, ao mover o fluido linfático, aumenta a circulação enquanto a sucção dos copos quentes derrete as células de gordura e minimiza a aparência de celulite. Em declarações ao Observador, Hélder Flor, que tem uma rede de clínicas onde faz sessões de cupping (40€ a primeira sessão, 35€ as seguintes), confirma:

A eficácia das ventosas é bastante superior à de uma massagem tradicional pela estimulação acrescida do sistema circulatório, cuja deficiência é uma das principais causas da celulite. Ao combater a estagnação sanguínea, ajuda a destruir as bolsas de gordura acumuladas por baixo da pele, a reduzir o seu inchaço e a melhorar a aparência da mesma, tendo também bons resultados em casos de estrias.”

Pampering, Beauty Spa, Leisure Activity, Setting, Holiday, Wellbeing, Cellulite, Women, Comfortable, Weekend Activities, Clinic, Health Spa, Hair Salon, Medical Exam, Hands Cupped, Color Image, Therapy, Buttocks, Young Adult, Human Skin, Beauty, Healthy Lifestyle, Caucasian Ethnicity, One Person, Recovery, Choice, Relaxation, Enjoyment, Satisfaction, Tranquil Scene, Stability, Care, Colors, Chinese Culture, Cultures, Healthcare And Medicine, Vacations, Nature, Horizontal, Close-up, Human Leg, Massage Therapist, People, Bubble, Tourist Resort, Medicine, Body, Exclusive,

Uma sessão de “cupping” anti-celulite. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

As próprias marcas de cosmética têm andado de olhos postos nesta moda. Em abril, chegou a Portugal o Cellu-Cup, vendido nas lojas Sephora (19,55€), uma espécie de copo de silicone que, ao ser massajado na pele, permite a degradação das células de gordura e a sua libertação. O Cellu-Cup não faz o vácuo que a ventosaterapia faz, mas é uma forma caseira de aplicar a mesma filosofia de massagem que aumenta a circulação sanguínea na zona.