Medicina

De repente, eis o “cupping” ou ventosaterapia

Autor
166

O uso do "cupping" por alguns atletas olímpicos lembra-me o uso das pulseiras do equilíbrio, aqui há uns anos, também por famosos e jogadores de futebol, e que acabaram por tornar-se moda.

João L. Monteiro,

O cupping, ou ventosaterapia, é uma técnica de cura milenar que consiste na aplicação de copos (vidro, acrílico ou madeira) com a finalidade de fazer uma sucção na pele através do vácuo. Aquecendo o interior de um copo, o ar expande-se e, quando isso acontece, inverte-se o copo que é colocado numa área localizada do corpo. O ar ao arrefecer vai ocupar um volume menor, gerando vácuo. O copo funciona, assim, como uma ventosa. Como alternativa pode-se chegar ao mesmo resultado com o auxílio de uma bomba de vácuo. O resultado são as conhecidas manchas arredondadas vermelhas ou negras, semelhantes a chupões.

Apesar dos praticantes de Medicina Tradicional Chinesa alegarem que esta técnica permite limpar o sangue de toxinas acumuladas no organismo, ou retirar “estagnações de sangue” do corpo, de ser usado para o alívio de dores musculares e melhorar a circulação sanguínea, tensão arterial e outras inúmeras patologias, a verdade é que não existem evidências científicas e médicas que comprovem estas afirmações. Segundo os proponentes destas práticas, o objetivo é reequilibrar a “energia vital” do organismo – o vitalismo é um conceito abandonado pela ciência por falta de sustentação empírica. Como consequências para os utentes, pode causar dores ou queimaduras, noutros casos pode afastá-los da medicina convencional.

Contudo esta prática tem ganho popularidade por ser utilizada por personalidades mediáticas como a atriz Gwyneth Paltrow ou, mais recentemente, alguns atletas dos Jogos Olímpicos. Isto lembra-me o uso das pulseiras do equilíbrio, há uns anos, também por famosos e jogadores de futebol, que acabaram por tornar-se moda e que, inclusivamente, eram vendidas nas farmácias. Depois de várias queixas, foram retiradas do mercado e a empresa detentora das pulseiras teve de pagar multa por publicidade enganosa.

Atendendo à prática desportiva, é de valorizar o recurso aos mais recentes conhecimentos da ciência e da medicina, assim como a novas tecnologias. No entanto, os técnicos responsáveis devem ter atenção para separar o que é conhecimento validado empiricamente, do que são alegações não comprovadas experimentalmente com resultados estatisticamente significativos.

Membro do COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Medicina

O perigo da ilusão da credibilidade na opinião

João Júlio Cerqueira e Miguel Mealha Estrada
2.556

Não existe uma medicina e uma medicina alternativa, nem uma realidade e uma realidade alternativa. Só há uma medicina, a que funciona. E uma realidade, a que os terapeutas alternativos teimam em negar

Ordem dos Médicos

Prescrição: Tempo para os nossos doentes

Miguel Guimarães
146

Não é admissível que os doentes sejam confrontados com situações de elevada pressão e condições de trabalho impostas pelo poder político que resultam em desprezo e desrespeito pela dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)