Medicina

De repente, eis o “cupping” ou ventosaterapia

Autor
166

O uso do "cupping" por alguns atletas olímpicos lembra-me o uso das pulseiras do equilíbrio, aqui há uns anos, também por famosos e jogadores de futebol, e que acabaram por tornar-se moda.

João L. Monteiro,

O cupping, ou ventosaterapia, é uma técnica de cura milenar que consiste na aplicação de copos (vidro, acrílico ou madeira) com a finalidade de fazer uma sucção na pele através do vácuo. Aquecendo o interior de um copo, o ar expande-se e, quando isso acontece, inverte-se o copo que é colocado numa área localizada do corpo. O ar ao arrefecer vai ocupar um volume menor, gerando vácuo. O copo funciona, assim, como uma ventosa. Como alternativa pode-se chegar ao mesmo resultado com o auxílio de uma bomba de vácuo. O resultado são as conhecidas manchas arredondadas vermelhas ou negras, semelhantes a chupões.

Apesar dos praticantes de Medicina Tradicional Chinesa alegarem que esta técnica permite limpar o sangue de toxinas acumuladas no organismo, ou retirar “estagnações de sangue” do corpo, de ser usado para o alívio de dores musculares e melhorar a circulação sanguínea, tensão arterial e outras inúmeras patologias, a verdade é que não existem evidências científicas e médicas que comprovem estas afirmações. Segundo os proponentes destas práticas, o objetivo é reequilibrar a “energia vital” do organismo – o vitalismo é um conceito abandonado pela ciência por falta de sustentação empírica. Como consequências para os utentes, pode causar dores ou queimaduras, noutros casos pode afastá-los da medicina convencional.

Contudo esta prática tem ganho popularidade por ser utilizada por personalidades mediáticas como a atriz Gwyneth Paltrow ou, mais recentemente, alguns atletas dos Jogos Olímpicos. Isto lembra-me o uso das pulseiras do equilíbrio, há uns anos, também por famosos e jogadores de futebol, que acabaram por tornar-se moda e que, inclusivamente, eram vendidas nas farmácias. Depois de várias queixas, foram retiradas do mercado e a empresa detentora das pulseiras teve de pagar multa por publicidade enganosa.

Atendendo à prática desportiva, é de valorizar o recurso aos mais recentes conhecimentos da ciência e da medicina, assim como a novas tecnologias. No entanto, os técnicos responsáveis devem ter atenção para separar o que é conhecimento validado empiricamente, do que são alegações não comprovadas experimentalmente com resultados estatisticamente significativos.

Membro do COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

João Lobo Antunes /premium

Maria João Avillez
190

Porque é que aquele rapaz tão bonito, de olhar azul claro, um companheiro de trabalho tão curioso e atento aos outros, parecia por vezes taciturno e quase triste? “Estudava muito” dizia-se por lá.

Medicina

O debate das Medicinas Alternativas

Tiago Telo Pacheco
286

O financiamento pelo SNS das Medicinas Alternativas sem evidência não deve e não pode ter lugar. Não dar-nos ao luxo de financiar através de impostos a escolha individual do placebo por um doente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)