O Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) terá mandado arrestar contas bancárias controladas por suspeitos, indivíduos e empresas, ligados ao Grupo Espírito Santo que terão mais de mil milhões de euros, avança o Jornal de Notícias, que cita uma ordem assinada pelo juiz Carlos Alexandre.

Depois do arresto de património imobiliário e, em determinado período, do congelamento de contas dos responsáveis diretos do grupo, a Policia Judiciária terá recebido ordem para apreender os saldos bancários de um conjunto de ex-responsáveis do grupo suspeitos de crime no caso do colapso do GES.

O arresto terá como objetivo garantir que não há dissipação dos bens pelos arguidos e, assim, que são pagas multas, caso a justiça assim o determine nos processos que estão em curso em relação a este caso.

O JN avança que entre as contas que são alvo de arresto estão novas contas de alguns dos suspeitos que as autoridades só agora conseguiram identificar e contas de empresas em dificuldades, objeto de planos especiais de revitalização, o que pode tornar mais difícil o arresto dos bens.