O projeto social do Rock in Rio de plantar três milhões de árvores na Amazónia já tem como objetivo “cinco ou seis milhões”, disse hoje o presidente e criador do festival de música, Roberto Medina.

Falando aos jornalistas precisamente na Amazónia, onde na noite de sábado decorreu um concerto do tenor Plácido Domingo num palco em forma de folha no meio do rio Negro, o responsável lembrou que inicialmente o objetivo era atingir os três milhões de árvores até 2019 e disse que esse valor foi atingido já na passada sexta-feira.

Salientando que é necessário parar com a desmatação das florestas e começar, ao contrário, a florestação, Roberto Medina disse que a partir de agora se vai iniciar no Brasil uma campanha “muito forte” nesse sentido.

Satisfeito com o resultado da iniciativa na Amazónia de sensibilização para as questões ambientais, o responsável considerou que está a fazer a sua obrigação, “porque uma marca como o Rock in Rio tem essa obrigação”. “A minha especialidade é fazer barulho no mundo por coisas boas”, disse.

Depois de o ultimo festival em Lisboa já com a preocupação de plantar árvores, depois da iniciativa ousada no meio de um rio na Amazónia, Roberto Medina garantiu que tem outras ideias também ousadas mas preferiu não dizer quais, para não deixar nervosas as pessoas que com ele trabalham.

E admitiu que cinco ou seis milhões de árvores é pouco face às necessidades (mais de dois mil milhões, segundo ambientalistas brasileiros) mas pode ser um marco que leve a decisões políticas e para que o problema se discuta “a sério”.