As tendências minimalistas estão a ganhar cada vez mais destaque e, numa sociedade pautada pelo consumismo, mostram o outro lado da moeda. Se há quem leve uma vida despojada, como Bea Johnson que, em julho, falou com o Observador sobre viver com o mínimo, há quem não vá tão longe mas tente integrar esta filosofia no seu roupeiro. A premissa é sempre a mesma: ter menos coisas e cingirmo-nos ao essencial. Mas porque o essencial é diferente de pessoa para pessoa, o roupeiro cápsula — como é chamado — ganhou regras e bases para tornar mais fácil a sua perceção por qualquer mulher.

Falámos com Ana Teresa Silvestre, autora do blogue português Look a Day que, além de ser coach e ajudar mulheres a fazerem detox aos seus roupeiros, também pratica ela própria o minimalismo. Ana Teresa abriu-nos a porta de sua casa, mostrou ao Observador o seu roupeiro e falou-nos de como é que uma coisa tão simples como ter menos roupa pode mudar a vida de alguém. Está pronta para viver só com 30 peças, ou pouco mais?

O que é um roupeiro cápsula?

É um armário pequeno feito exclusivamente de peças versáteis que se conjugam umas com as outras e facilitam na hora de se vestir todas as manhãs. Atualmente, a regra diz que, por estação, nos bastam 30 a 37 peças (excluindo roupa interior, acessórios, roupa de praia, de desporto, de usar por casa e pijamas). Parece pouco, certo? Mas a Lei de Pareto (ou a lei dos 80/20) também se aplica ao nosso roupeiro: só usamos cerca de 20% da nossa roupa. Então porquê acumular?

Este é o roupeiro de Ana Teresa Silvestre, dividido em vestidos, saias, um par de calças, alguns tops, camisolas, camisas e um casaco. (Foto: Helena Magalhães/Observador)

Como escolher as peças para um roupeiro cápsula?

Muitas pessoas acumulam roupa e mais roupa por várias razões: porque podem voltar a usar, porque foi cara, porque não se lembravam que tinham aquela peça, porque podem vir a gostar novamente, porque “colecionam” roupa… Mas tudo isto são desculpas para o consumo constante. Ana Teresa explica-nos como escolher as peças essenciais:

  1. Esvazie o seu roupeiro na totalidade. A partir daqui separe todas as suas roupas por várias categorias: aquilo que realmente adora e quer usar neste exato momento, aquilo que talvez goste (porque tem algum valor sentimental, por exemplo) e aquilo que já não faz sentido e facilmente doaria ou trocaria com uma amiga. De fora ficam as peças sazonais como um casaco de inverno que só entra no roupeiro de inverno.
  2. Coloque as peças de que realmente gosta novamente no armário. Essas são as que vão fazer parte do seu novo roupeiro.
  3. Aquelas de que tem dúvidas porque não sabe se lhe ficam assim tão bem, que não consegue largar porque foram caras ou porque têm valor sentimental, guarde-as num sítio (numa caixa, na arrecadação, no sótão…) para mais tarde pensar nisso. Não se desfaz delas mas também não ficam a acumular no roupeiro. Se ao longo dos meses não se lembrar delas nem tiver vontade de as usar, está pronta para as colocar nas peças que já não fazem sentido e dizer-lhes adeus no final da estação.
  4. Depois de ver o que tem no roupeiro e as peças “essenciais” que guardou, pense na regra do “3-3-3” para ver se tem tudo aquilo de que precisa. Esta regra aplica-se a tudo. Sapatos? 3 rasos, 3 saltos altos, 3 botas. Roupa de baixo? 3 calças, 3 calções e 3 saias. Roupa de cima? 3 tops, 3 camisas, 3 camisolas.

Não tem de seguir as regras à risca porque, no final do dia, cada pessoa tem de adaptar esta tendência aos seus próprios gostos. Ana Teresa explica que só tem um par de calças e prefere investir em saias e vestidos porque é como se sente melhor. A nível de peças sazonais, basta-lhe um casaco de inverno. Se preferir mais calças e, pelo menos, três casacos diferentes, não vai estar a infringir nenhuma regra. Tem tudo a ver com as peças que são essenciais para cada pessoa.

Como é que um roupeiro cápsula pode melhorar a nossa vida?

“Quantas mais coisas se tem, mais difícil é o processo de tomada de decisão. Para quem tem filhos ou um horário apertado, tudo isto significa minimizar e equilibrar a vida, sem os gastos de energia diários associados ao processo de lavar e arrumar todo um roupeiro acumulado de coisas. Com menos roupa, uma pessoa consegue ser muito mais versátil e criativa porque acaba por conjugar tudo o que tem de diversas formas”, explica Ana Teresa, acrescentando que a maior parte das mulheres não tem o estilo “blogger de moda”, não quer ter muita roupa nem perder muito tempo todas as manhãs a pensar no que é que vai vestir.

As mulheres querem basicamente conjuntos que as façam sentir bem e têm cada vez mais interesse neste conceito dos roupeiros cápsulas. Não sei é se estão preparadas para abdicar das compras emocionais que acabam sempre no fundo do roupeiro.”

3 razões para não ter um armário sobrelotado

Ana Teresa dá um ajuda e explica porque deve mesmo fazer um detox ao seu roupeiro:

  • Mais espaço físico e mental. As pessoas não usam a sua roupa toda porque está tudo escondido em gavetas e amontoado no roupeiro. É como o amor — olhos que não veem, coração que não sente. Com um roupeiro cápsula, fica tudo à vista. Além disso, ter mais roupa não significa vestir melhor. Com menos peças, a criatividade vai ser maior.
  • Poupança de tempo e energia. Menos lavagens, menos arrumações, menos passagens a ferro, menos energia gasta a escolher de manhã o que vestir. E mais dinheiro, claro.
  • Maior organização e bem-estar. Vai poder ter uma peça por cabide, organizadas por tipos e dar uma maior leveza ao seu espaço. Além disso, como só vai ter peças de que realmente gosta, não vão existir aqueles dias em que parece que nada veste bem.

https://twitter.com/Samiorenelda/status/750424579697434624

Se precisar de inspiração…

Hoje em dia encontra-se de tudo na Internet e há sites e blogues que falam desta tendência ao pormenor e que ajudam a inspirar e motivar para uma vida de menos consumo.

  • O Project 333 ajuda a iniciar, pela primeira vez, o projecto 333 — 33 peças de roupa durante três meses. Depois, muda a estação e pode-se acrescentar mais cinco peças para reciclar outras cinco.
  • O Un-Fancy é um blogue exclusivamente dedicado à tendência minimalista e onde encontra inúmeras sugestões e formas de tirar partido da sua roupa, planeadores de roupeiros cápsulas que pode fazer download e até uma app para mudar a sua vida em três meses.
  • O Um Ano Sem Zara começou como um desafio da autora em estar um ano inteiro sem comprar uma peça de roupa. Hoje é um dos maiores blogues brasileiros e uma ode ao minimalismo. Aqui encontra sugestões de como usar todo o tipo de peças em diversos looks sem cair no enfadonho.
  • O mote do Into Mind é “buy less, choose well and make it last” e é um blogue inspiracional. A autora acabou de lançar um livro “The Curated Closet” para se viver melhor com menos roupa.