819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Guião para "escapar" a crimes de ódio contra mulheres que usam hijab

Este artigo tem mais de 5 anos

Os crimes de ódio aos muçulmanos e outras minorias são cada vez mais frequentes e o medo instala-se. Mas Zaineb Abdulla, de 24 anos, mostra algumas técnicas de auto-defesa às mulheres que usam hijab.

Crimes de ódio viraram moda e, por sua vez, a arte da auto-defesa é cada vez mais procurada como forma de proteção
i

Crimes de ódio viraram moda e, por sua vez, a arte da auto-defesa é cada vez mais procurada como forma de proteção

Getty Images

Crimes de ódio viraram moda e, por sua vez, a arte da auto-defesa é cada vez mais procurada como forma de proteção

Getty Images

Já não é a primeira vez que se fala das possíveis consequências que a eleição de Donald Trump podem ter no futuro das minorias, em particular, de muçulmanos. O medo de que os seus discursos tenham inflamado os mais fanáticos e radicais é cada vez maior, por isso mesmo, uma mulher decidiu criar um guia que ajuda, passo-a-passo, a superar possíveis ataques, avança a Quartz.

Aliás, segundo a Southern Poverty Law Center, 701 relatos de crimes de ódio às minorias foram relatados, desde o dia da eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos da América, 8 de novembro, até dia 18 de novembro, portanto, em apenas dez dias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As mulheres muçulmanas, que usam hijab (ou véu islâmico) têm sido alvo de ataques. De acordo com o Quartz, um estudante universitário descreveu mesmo um episódio onde um agressor não só puxou o hijab de uma mulher, como também a tentou sufocar.

Zaineb Abdulla, de 24 anos, é a vice presidente da Organização sem fundos “Alma do planeta surdo” – traduzido à letra – que se caracteriza por ser uma organização de ajuda a surdos e deficientes auditivos. No entanto, Zaineb é, também ela, muçulmana e, por sua vez, usa hijab, o que levou a que muitas mulheres fossem ter consigo para pedir ajuda sobre o tema.

Na sua instituição em Chicago, Zaineb já estaria a dar seminários de ajuda e auto-defesa a mulheres, mas, devido à eleição de Trump e seu crescente ódio para com os muçulmanos, surgiu a necessidade de fazer algo mais. Esse mais foi um seminário de duas horas com um ‘kit’ de sobrevivência contra o ódio. Para tal, Abdulla associou-se a um professor de artes marciais para ensinar às mulheres a responderem a possíveis ataques.

Na sua página oficial de Facebook, a mulher postou um vídeo com técnicas capazes de fazer parar qualquer atacante. O vídeo conta já com quase quatro milhões de visualizações.

Na entrevista que dá à revista explica que o seu objetivo é encorajar as mulheres para que não tenham medo ou se sintam indefesas: “eu estava farta de ouvir relatos de mulheres que são atacadas, ou que vêm os seus véus arrancados à força”.

Mas desengane-se se pensa que Abdulla é um caso isolado. A procura de centros que ensinem a arte da auto-defesa tem crescido desde a eleição de Trump. Também o popular site MuslimGirl, lançou recentemente um serviço mensal para a segurança das mulheres muçulmanas, que inclui o envio de spray de gás de pimenta e um manual de dicas de segurança.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos