Cinema

Na Comic Con, a Marcha Imperial é feita de bons rapazes

243

Dia 15 estreia-se "Rogue One", mais um filme saído do universo Star Wars. Antes, na Comic Con, há uma Marcha Imperial para ver todos os dias. Vader, stormtroopers e outros à solta em Matosinhos.

Ricardo Castelo

É dos momentos mais aguardados pelo público que passeia pelos corredores da Exponor, durante a Comic Con: quando Darth Vader — um dos vilões mais conhecidos da história dos maus e o inimigo-feito-salvador da saga de “Star Wars” –, inicia uma marcha e caminha a passos largos no recinto. Atrás dele vêm mais algumas dezenas de personagens pouco dadas a amizades e também os fãs, prontos a gravar mais um vídeo ou a fazer mais uma fotografia. Tudo isto constitui já uma tradição na Comic Con Portugal e é levada a cabo pelo grupo nacional da Legião 501, a organização mundial constituída por milhares de voluntários e fãs que recria o universo da saga.

Para recriar o ambiente sombrio e o mais próximo possível da ficção, esta marcha imperial vai buscar inspiração à música e utiliza-a como trunfo. O tema composto por John Williams, “A Marcha Imperial”, para a saga acompanha todo o desfile, sem falhas e sem passar despercebida. E caso o grupo de vilões pareça perigoso ou pouco amigável para companhia, o que acontece é o contrário: muitas personagens interagem com o público e revelam-se inofensivos e amigáveis. O próprio Darth Vader acena às crianças e os stormtroopers – os soldados brancos e clonados do malvado Império Galáctico – posam para as fotografias. Vá, também apontam as suas armas, mas com pouca vontade.

Ricardo CasteloObservador

Durante a Comic Con, as personagens de Star Wars são das mais requisitadas. Embora o grupo de voluntários do evento não deixe furar o imaginário cordão de segurança feito à volta dos protagonistas do desfile, os vilões são acessíveis e gostam dos flashes. “A marcha tem sido um êxito na Comic Con”, afirma Hugo Pablo, o coordenador do núcleo português da Legião 501.

Mais do que encantar os aficionados com as vestes e as atitudes, um dos objetivos da Marcha Imperial é dar a conhecer este grupo. E quem sabe, dar um novo rosto a estes vilões. “A Legião 501 é um grupo de fãs criado pela Lucasfilm [produtora de cinema fundada por George Lucas] e que se dedica à caridade”, explica. Os fatos das personagens são aprovados pela produtora e depois o caminho da Legião faz-se junto de associações, através de angariação de fundos: seja dinheiro, alimentos ou brinquedos para crianças. Há apenas uma regra neste grupo: “Têm de ser os maus a praticar o bem”. Coisa bonita.

O núcleo português, fundado em 2009, pode contar com cerca de 30 elementos num desfile. Todos são voluntários e “uns mais fãs do que outros da saga Star Wars”. Cada uma das pessoas pode representar uma personagem à sua escolha: apenas tem de comprar o fato, construí-lo e participar nas ações de caridade. Segundo Hugo Pablo, a marcha imperial é uma atividade praticada em todo o mundo pelos diversos grupos da Legião 501. Durante o fim-de-semana da Comic Con Portugal, membros de Espanha e de Luxemburgo vão tornar a “parada dos vilões” ainda mais extensa.

A marcha imperial vai percorrer os corredores da Exponor até domingo: no mínimo duas vezes ao dia, será possível conhecer o “lado negro da força” com um toque diferente. Além do desfile, a banca da Legião 501 encontra-se no pavilhão 2 e os fãs podem tirar fotografias individualmente com os vilões.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)