Cinema

Na Comic Con, a Marcha Imperial é feita de bons rapazes

243

Dia 15 estreia-se "Rogue One", mais um filme saído do universo Star Wars. Antes, na Comic Con, há uma Marcha Imperial para ver todos os dias. Vader, stormtroopers e outros à solta em Matosinhos.

Ricardo Castelo

É dos momentos mais aguardados pelo público que passeia pelos corredores da Exponor, durante a Comic Con: quando Darth Vader — um dos vilões mais conhecidos da história dos maus e o inimigo-feito-salvador da saga de “Star Wars” –, inicia uma marcha e caminha a passos largos no recinto. Atrás dele vêm mais algumas dezenas de personagens pouco dadas a amizades e também os fãs, prontos a gravar mais um vídeo ou a fazer mais uma fotografia. Tudo isto constitui já uma tradição na Comic Con Portugal e é levada a cabo pelo grupo nacional da Legião 501, a organização mundial constituída por milhares de voluntários e fãs que recria o universo da saga.

Para recriar o ambiente sombrio e o mais próximo possível da ficção, esta marcha imperial vai buscar inspiração à música e utiliza-a como trunfo. O tema composto por John Williams, “A Marcha Imperial”, para a saga acompanha todo o desfile, sem falhas e sem passar despercebida. E caso o grupo de vilões pareça perigoso ou pouco amigável para companhia, o que acontece é o contrário: muitas personagens interagem com o público e revelam-se inofensivos e amigáveis. O próprio Darth Vader acena às crianças e os stormtroopers – os soldados brancos e clonados do malvado Império Galáctico – posam para as fotografias. Vá, também apontam as suas armas, mas com pouca vontade.

Ricardo CasteloObservador

Durante a Comic Con, as personagens de Star Wars são das mais requisitadas. Embora o grupo de voluntários do evento não deixe furar o imaginário cordão de segurança feito à volta dos protagonistas do desfile, os vilões são acessíveis e gostam dos flashes. “A marcha tem sido um êxito na Comic Con”, afirma Hugo Pablo, o coordenador do núcleo português da Legião 501.

Mais do que encantar os aficionados com as vestes e as atitudes, um dos objetivos da Marcha Imperial é dar a conhecer este grupo. E quem sabe, dar um novo rosto a estes vilões. “A Legião 501 é um grupo de fãs criado pela Lucasfilm [produtora de cinema fundada por George Lucas] e que se dedica à caridade”, explica. Os fatos das personagens são aprovados pela produtora e depois o caminho da Legião faz-se junto de associações, através de angariação de fundos: seja dinheiro, alimentos ou brinquedos para crianças. Há apenas uma regra neste grupo: “Têm de ser os maus a praticar o bem”. Coisa bonita.

O núcleo português, fundado em 2009, pode contar com cerca de 30 elementos num desfile. Todos são voluntários e “uns mais fãs do que outros da saga Star Wars”. Cada uma das pessoas pode representar uma personagem à sua escolha: apenas tem de comprar o fato, construí-lo e participar nas ações de caridade. Segundo Hugo Pablo, a marcha imperial é uma atividade praticada em todo o mundo pelos diversos grupos da Legião 501. Durante o fim-de-semana da Comic Con Portugal, membros de Espanha e de Luxemburgo vão tornar a “parada dos vilões” ainda mais extensa.

A marcha imperial vai percorrer os corredores da Exponor até domingo: no mínimo duas vezes ao dia, será possível conhecer o “lado negro da força” com um toque diferente. Além do desfile, a banca da Legião 501 encontra-se no pavilhão 2 e os fãs podem tirar fotografias individualmente com os vilões.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)