O Governo decidiu renovar o contrato do advogado Diogo Lacerda Machado, amigo pessoal de António Costa, que continuará assim por mais seis meses com consultor do Governo, avança o jornal Público, depois de ter estado envolvido nos processos da TAP, dos lesados do BES e do diferendo entre o BPI e Isabel dos Santos.

No contrato que teve início a 15 de abril de 2016, lembra o jornal, Diogo Lacerda Machado comprometia-se a prestar serviços de consultadoria estratégia e jurídica “em assuntos de elevada complexidade e especialização, na área de competência do primeiro-ministro”. Por esta avença, Lacerda Machado recebe uma retribuição mensal de 2o00 euros, antes de impostos, por cada um dos meses.

O trabalho de Lacerda Machado para o primeiro-ministro foi muito contestado pelos partidos com assento parlamentar, por ter começado sem qualquer ligação contratual e sem especificação ou anúncio do trabalho que estava a fazer. Só depois da polémica é que o primeiro-ministro decidiu avançar com um contrato de avença com o advogado, mas não sem que Lacerda Machado fosse chamado ao Parlamento para explicar que tipo de trabalho tinha feito para o Governo.

Entre os processos mais espinhosos que teve nas mãos, estiveram as negociações com o consórcio que venceu a privatização da TAP e que terminou com um acordo para que cada parte ficasse com uma participação de 50% na empresa, e ainda as negociações com os lesados do BES e as negociações sobre a saída de Isabel dos Santos do capital social do banco BPI.