O espanhol CaixaBank estima que, após concretizar a OPA sobre o BPI, o banco português consiga vir a reduzir custos anuais até 84 milhões de euros, sendo que mais de metade virá de poupanças com trabalhadores.

No prospeto da Oferta Pública de Aquisição (OPA) hoje divulgado ao início da noite, o CaixaBank diz que “confia que poderia obter um aumento adicional dos lucros da Sociedade Visada [BPI] através de sinergias de custos e receitas baseadas na sua experiência em aquisições anteriores no setor bancário (Caixa Girona, Bankpime, Banca Cívica, Banco de Valência e Barclays Bank, S.A.U.)” e destaca nomeadamente as “reduções de custos gerais resultantes da implementação de processos de otimização e a redução de custos de pessoal”.

O CaixaBank estima mesmo que essas sinergias poderão “gerar até 84 milhões de euros anuais de poupanças no negócio” do BPI, uma redução que deverá atingir o seu pico em 2019.

Do valor de poupanças referido, é estimado que 45 milhões de euros venham de redução de custos com pessoal e mais 39 milhões de euros de redução de custos gerais.

Quanto aos trabalhadores, diz o CaixaBank que “quaisquer restruturações laborais” serão realizadas “em estrito cumprimento dos parâmetros sociais que têm vindo a ser observados” em processos similares e que dará “prioridade a reformas antecipadas e lay-offs [saídas de trabalhadores] incentivados”.

Quanto à rede comercial, esta deverá ficar igual, refere o banco espanhol, recordando que o BPI tem vindo a reduzir os seus balcões nos últimos anos (tendo fechado 52 em 2015 e mais 52 até setembro de 2016) para um total de 545 em Portugal.

O CaixaBank espera ainda que a compra da totalidade do capital social do BPI dê origem a “sinergias transfronteiriças” e “sinergias de receitas”, indicando várias iniciativas que espera tomar e estimando que gerem “sinergias no valor de 35 milhões de euros antes de impostos”.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) registou hoje a Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre a totalidade do capital do BPI, oferecendo o banco espanhol 1,134 euros por cada ação do BPI, o que avalia o banco em cerca de 1600 milhões de euros.

A operação arranca já esta terça-feira, dia 17 de janeiro, e decorre até 7 de fevereiro.