Poluição

Derrame de combustível causa mancha de poluição com 126 hectares

128

Foi detetada esta segunda-feira uma mancha de poluição em alto mar, entre Portugal e Espanha, possivelmente causada pela lavagem de tanques de um navio petroleiro.

Força Aérea

A Força Aérea portuguesa informou esta terça-feira, em comunicado, que foi descoberta uma nova mancha de poluição no mar, entre Portugal e Espanha, provocada pela lavagem de tanques de um navio petroleiro.

A mancha de poluição tem a extensão de 126 campos de futebol e foi detetada a noroeste da costa continental portuguesa, apesar de se situar sobretudo em águas espanholas. O porta-voz da Força Aérea, o coronel Rui Roque, explicou ao Observador que ainda não são conhecidos os componentes da mancha de poluição mas que não há risco da mancha atingir as zonas costeiras dos dois países. A mancha parece deslocar-se cada vez mais para norte (Espanha), devido às correntes marítimas.

A Força Aérea e a Marinha portuguesas receberam o alerta no início do ano passado e enviaram uma aeronave — equipada com sensores para a deteção e avaliação de poluição marítima — até ao local para avaliar a mancha de poluição.

O Centro de Reconhecimento e Vigilância e Informações da Força Aérea recebeu, no dia 23 de janeiro de 2017 um reporte da European Maritime Safety Agency sobre uma potencial mancha de poluição localizada na zona Norte de Portugal.

A Força Aérea confirma que a mancha foi provocada “por derrame de combustível” mas ainda não conseguiu detetar a origem da mancha. A TSF avança que análises feitas pela Marinha concluíram tratar-se de um hidrocarboneto pouco denso, provavelmente, causado pela lavagem de tanques de um navio petroleiro.

Em declarações à Rádio Renascença, o comandante Pedro Coelho Dias da Marinha disse, ao início desta noite, que a mancha, entretanto, já se terá dissipado e que pode ter sido provocada por uma descarga extensa e autorizada de combustível.

Este tipo de ocorrências são relativamente comuns. Este mês uma mancha de espuma branca e amarelada — constituída por óleo de palma — foi detetada na costa da Ria Formosa, no Algarve. A capitania do Porto de Olhão investigou o caso mas não descobriu os responsáveis nem se o despejo foi propositado ou acidental.

No passado mês de outubro de 2016, ocorreu um derrame de óleo combustível que poluiu o estuário do rio Sado e um areal com 800 metros de extensão. A Polícia Marítima investigou o incidente e atribuiu culpas à “The Navigator Company”, empresa de fabrico e comercialização de papel.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poluição

Planeta ou Plástico? Porque temos de escolher

José Crespo de Carvalho

Da produção mundial total, 380 milhões de toneladas por ano, metade é de plástico "single-use", nem sempre fácil de banir. Mas são necessários esforços redobrados para que isso mesmo venha a acontecer

Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
1.144

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Medicina

O perigo da ilusão da credibilidade na opinião

João Júlio Cerqueira e Miguel Mealha Estrada
1.717

Não existe uma medicina e uma medicina alternativa, nem uma realidade e uma realidade alternativa. Só há uma medicina, a que funciona. E uma realidade, a que os terapeutas alternativos teimam em negar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)