Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Contas feitas: 35 anos, seis meses de ausência e um regresso difícil de superar, cinco anos pós a última vitória num dos principais palcos do ténis mundial. Roger Federer venceu Rafael Nadal na final do Open da Austrália, este domingo. O tenista suíço venceu o rival espanhol em cinco sets. Foram estes os números do encontro: 6-4, 3-6, 6-1, 3-6 e 6-3.

Com esta vitória, numa partida que durou quase quatro horas, Federer conseguiu conquistar o seu 18.º Grand Slam. Mais: é a quinta vez que o ganha o título australiano e é também o regresso às vitórias em torneios de Grand Slam — a última tinha acontecido em 2012, em Wimbledon.

Federer é agora o único tenista a conseguir ganhar cinco vezes em três torneios diferentes do Grand Slam, Australia, EUA e Winbledon — este último já o ganhou por sete vezes. E é o segundo tenista mais velho da história a vencer um grande torneio. O mais velho é ainda Ken Rosewall, o australiano que venceu o Open do próprio país, em 1972 (tinha 37 anos).

A partida foi decidida apenas no último set. Três horas 38 minutos de duelo, com um Federer que entre sets ameaçava esmorecer, depois de uma semana a liderar o torneio. No último dos cinco sets, o tenista teve mesmo de ser assistido, antes e durante.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E esta foi uma vitória com sabor especial para o suíço. Na antevisão do encontro deste sábado, Federer assumia o grande respeito por Nadal e a surpresa por ter chegado à final do Open Austrália. “Provavelmente, sou o fã n.º 1 de Nadal. Quando estivemos juntos na inauguração da academia dele, no final do ano passado, ambos lesionados, nem nos nossos melhores sonhos esperávamos algo assim. É incrível”, afirmou Federer.

Federer e Nadal já não se encontravam na final de um torneio do Grand Slam desde a final do Roland Garros 2011. Foi o nono confronto entre os dois em finais, naquela que já pode ser considerada uma das maiores e mais longas rivalidades do ténis mundial. No total, ambos já se enfrentaram por 34 vezes (23-11 de vantagem para o espanhol) mas não se encontravam desde a final do ATP 500 de Basileia de 2015 (conquistado pelo suíço).

Com esta vitória, o suíço é agora o número 17 do ranking, depois de ter ficado cinco anos sem conquistar qualquer título num dos quatro principais torneios do circuito mundial de ténis.

A conquista do Open da Austrália reforça o estatuto de Federer como lenda do ténis, ele que já é o recordista absoluto de títulos do Grand Slam. Com o 18º título no cúrriculo, a vitória sobre Rafael Nadal alarga a vantagem para os segundos classificados, o espanhol e o norte-americano Pete Sampras, que têm 14 títulos Grand Slam cada um.