Rádio Observador

Fast Food

Os embrulhos de fast food podem ser perigosos para a saúde

Sabemos que a comida "fast food" é da pior que podemos comer, ainda assim, continuamos a consumi-la. Um novo estudo acrescenta um novo perigo: os embrulhos que a envolvem.

Getty Images

Não é novidade que a comida fast food não faz bem à saúde, ainda assim, o seu consumo não parece estar a diminuir. Agora, na sequência de um novo estudo, podemos acrescer mais um malefício deste tipo de alimentação: os papéis que as envolvem. Segundo conta a The Verge, as caixas e outros produtos em que este tipo de alimentos são embrulhados podem ter substâncias perigosas para a saúde que ‘migram’ para a comida que ingerimos.

Segundo o estudo, publicado na Environmental Science & Technology Letters, estes produtos de papel, que são muitas vezes utilizados para embrulhar alimentos como batatas fritas ou hambúrgueres, contêm produtos químicos que conseguem sobreviver ao calor e à gordura. Outro estudo paralelo confirmou que os químicos migram para a nossa comida, especialmente se esta estiver quente e for gordurosa.

Deste modo, os produtos químicos conseguem resistir tanto ao óleo como à água porque têm laços “muito fortes” com o flúor carbono. Este componente (polifluoroalcalinas) é muito utilizado em tapetes, móveis, canas de pesca, espuma de combate a incêndios ou até panelas anti aderentes. E o laço entre o flúor e o carbono é tão resistente que não se decompõe no meio ambiente. Segundo os testes realizados, o produto químico foi encontrado em todos os materiais recolhidos para análise.

Laurel Schaider, investigador do estudo, revela ainda que as análises feitas a pessoas que vivem perto da fábrica Dupont, e que beberam água contaminada com este tipo de ácido, podem desenvolver vários problemas de saúde, segundo as análises feitas:

  1. Doenças Cardiovasculares
  2. 21 tipos de cancro
  3. Problemas na gravidez, como abortos ou partos prematuros
  4. Doenças neurológicas
  5. Doenças respiratórias
  6. Doenças infecciosas e auto-imunes
  7. Diabetes do tipo 2
  8. Tiroide
  9. Doenças dos rins
  10. Doenças no fígado
  11. Artrite

A equipa que levou a cabo a investigação dos riscos dos papeis utilizados para embrulhar a comida fast food decidiu recolher 400 amostras em 27 restaurantes diferentes e em todas as amostras foram encontrados indícios do químico. A pesquisa foi realizada juntamente com uma equipa da Universidade de Notre Dame.

Environmental Science & Technology Letters

De acordo com este gráfico, todos os papeis analisados que estavam em contacto com comida tinham resíduos do flúor perigoso. Das 27 cadeias alimentares analisadas podemos salientar o McDonalds e a Starbucks.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)