Rádio Observador

Viagens

Abra-se o vinho: o Porto foi eleito melhor destino europeu de 2017

38.333

A Invicta ficou à frente de cidades como Paris, Roma, Atenas, Praga e Amesterdão. Mais de metade dos votos no Porto chegaram do estrangeiro.

O Centro Histórico é Património da Unesco desde 1996.

O público de todo o mundo pronunciou-se e o voto é soberano: o Porto foi eleito o melhor destino turístico europeu de 2017. As votações no site European Best Destinations terminaram esta sexta-feira e o vencedor foi anunciado às 15h00 pela mesma organização. A Invicta é a única cidade portuguesa a ter vencido e é também a única repetente de todo o concurso: em 2012 e 2014, também foi eleita destino do ano.

Nunca a escolha de uma cidade foi tão unânime entre os viajantes de todo o mundo”, revela o site, acrescentando que o Porto recebeu votos de 174 países.

Mais de metade dos votos no Porto foram registados no estrangeiro“, acrescenta ao Observador a Câmara Municipal do Porto, que foi informada pela organização com alguma antecedência, e que marcou uma conferência de imprensa para as 15h30, com a presença de Rui Moreira.

Em países como os Estados Unidos, França, Dinamarca, Coreia do Sul, Irlanda, África do Sul, Inglaterra e Canadá, o Porto foi a cidade número um para os votantes, adianta ainda o site de turismo. Ao todo, a cidade recebeu mais de 130 mil votos. Na quinta-feira, Milão e Atenas eram as principais adversárias. Em segundo ficou mesmo a cidade italiana, com Gdansk, na Polónia, a ascender ao terceiro lugar.

Manuel Aranha, vereador com o pelouro do Turismo, destaca a “visibilidade” que o concurso dá à cidade, que se soma ao “orgulho dos cidadãos do Porto, por receberem mais uma vez este prémio, fruto de uma votação aberta a todo o mundo”, destaca ao Observador. O peso dos votos estrangeiros é “bastante positivo”. “Sobretudo tendo em conta a forma como este tipo de concursos é visto, baseado em mobilizações nacionais.”

O município não deixou de fazer, nas últimas três semanas, um trabalho de mobilização ao voto na cidade, convidando personalidades como o reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, o cantor Miguel Guedes ou a atleta Sara Moreira, a explicarem porque era importante votar. Na quinta-feira — e de forma autónoma, garante a autarquia –, a super-modelo portuense Sara Sampaio também escreveu um post nas redes sociais a promover a cidade. Que, só no Facebook, conquistou 8,3 mil ‘gostos’.

O facto de a maior parte dos votos ter chegado do estrangeiro mostra que “a cidade tem um posicionamento de destino de excelência” lá fora, destaca o vereador Manuel Aranha, sem que, no entanto, seja fácil medir o impacto direto no crescimento do turismo.

Esta foi a 8.ª edição dos European Best Destinations. De acordo com o site, esta foi a edição mais concorrida de sempre, com 426 mil votos. Viena (Áustria), Berlim (Alemanha), Atenas (Grécia), Londres (Inglaterra), Bruxelas (Bélgica), Praga (República Checa), Basileia (Suíça), Stari Grad (Croácia), Wild Taiga (Finlândia), Amesterdão e Roterdão (Holanda), Madrid e San Sebastian (Espanha), Sozopol (Bulgária), Gdansk (Polónia), Roma e Milão (Itália), Paris e Bonifacio (França) eram as outras cidades finalistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)