O Presidente italiano concedeu hoje um perdão parcial à ex-agente da CIA Sabrina de Sousa, condenada pelo rapto do egípcio e radical islâmico Abu Omar, o que, para o seu advogado, pode evitar a sua extradição desde Portugal.

De acordo com um comunicado publicado no portal da Presidência italiana, Sergio Mattarella deu um indulto de um ano de prisão à ex-agente.

Com este indulto, a pena de Sabrina de Sousa passa de quatro para três anos de prisão, uma vez que, em 2006, a luso-americana conseguiu que a sua pena fosse diminuída de sete para quatro anos de prisão.

A redução da pena permite à ex-agente da CIA – condenada à revelia pelo sequestro de Abu Omar em fevereiro de 2003, em Milão – solicitar medidas alternativas à prisão, sem necessidade de estar detida, assinala o comunicado da Presidência italiana.

Sabrina de Sousa, detida em Portugal, deveria ser extraditada na quarta-feira para Itália, com base num mandado de detenção europeu, segundo noticiou hoje a agência espanhola Efe.

Contudo, o seu advogado em Itália, Dario Bolognesi, sustentou que tal não deverá acontecer, uma vez que o indulto presidencial permite pedir a suspensão condicional da pena e da consequente extradição.