A Inspeção Geral de Finanças alargou a auditoria às falhas no controlo, pela Autoridade Tributária, das transferências para offshores, acrescentando uma peritagem que será feita em colaboração do Instituto Superior Técnico. Esta avaliação adicional ao que estava inicialmente previsto vai prolongar o prazo para a conclusão do trabalho.

A expetativa era que os resultados da análise ao caso dos 10 mil milhões de euros que saíram para offshores sem controlo do fisco pudessem surgir no final deste mês, mas afinal a Inspeção Geral de Finanças quer mais informação. No seu site, a IGF publicou uma nota onde explica que “alargou o âmbito da auditoria que está a realizar ao sistema de informação e controlo das declarações transfronteiras (…) tendo iniciado uma peritagem, em colaboração com o Instituto Superior Técnico, às respetivas aplicações informáticas”.

Na mesma nota, que foi adiantada em primeira mão pelo jornal Públicos, a IGF explica ainda que “esta peritagem prolonga o prazo inicialmente previsto para a conclusão da auditoria, mas revela-se necessária para o cabal esclarecimento dos factos públicos ocorridos”.