O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, recusou “fazer a condenação” do ex-secretário de Estado Paulo Núncio relativamente às transferências para ‘offshore’, “sem primeiro assistir à investigação e ao julgamento necessário”.

“Creio que a melhor resposta é de facto continuar a averiguação, aprofundar o esclarecimento, seja em relação ao ex-secretário de Estado, seja em relação a todo um processo que prejudicou naturalmente o nosso país”, declarou Jerónimo de Sousa aos jornalistas.

O secretário-geral do PCP, que falava durante uma manifestação do Movimento Democrático de Mulheres, na baixa de Lisboa, observou, contudo, que “nesse processo das ‘offshores’ há sempre um dedo dos escritórios de advogados que têm por missão facilitar essas operações”.