Rádio Observador

Editoras

Minotauro: a editora do labirinto agora tem um blog

A Minotauro, que recentemente alargou o seu catálogo para incluir diferentes géneros e autores, lançou um blog com livros e muitas coisas mais. Os de março já lá estão mais há muitos mais para sair.

"Deixe-se guiar pelos labirintos da leitura": é este o lema da Minotauro

DR

A editora Minotauro, uma chancela do Grupo Almedina, lançou esta segunda-feira um blog de divulgação de lançamentos e outros projetos. O site — que inclui notícias, informações sobre os livros e autores, e até vídeos — é uma das várias iniciativas que a editora recém reestruturada pretende lançar durante o ano de 2017, procurando chegar mais perto dos leitores. No final deste mês de março, haverá também uma tertúlia na Livraria Almedina do Atrium Saldanha, em Lisboa, dedicado ao livro A Serpente do Essex, uma das apostas da editora para este ano.

A Minotauro, anteriormente dedicada exclusivamente à literatura espanhola, sofreu uma reestruturação em 2016, passando a incluir no seu catálogo uma maior variedade de géneros e autores, nomeadamente de literatura infanto-juvenil. Neste campo, sairão já este mês Astrotáxi — Rafa levanta voo, de Patrick Wendy Mass e Michael Brawer, e A Última Paragem, de Matt de la Peña e Christian Robinson.

O primeiro conta as aventuras de Rafa Estrela-da-Manhã, um miúdo de oito anos que embarca numa viagem fantástica a bordo do táxi do seu pai. Astrotáxi é o primeiro volume de uma saga cheia de humor e muitos factos científicos (as últimas páginas do livro incluem uma lista de factos científicos para impressionar “os amigos e os profs”), com ilustrações de Elise Gravel.

A Última Paragem, pensado para crianças até aos seis anos, é um livrinho de apenas 32 páginas, multi-premiado, que relata a viagem de autocarro de Alex e da sua avó. Uma viagem que, segundo a editora, mostra “um olhar maravilhoso que só pode ser partilhado entre avós e netos, ganhando vida através da escrita vibrante de Matt de la Peña e das ilustrações radiantes de Christian Robinson“.

Até ao final de março, irão ainda sair Rapariga em Guerra, um romance de Sara Nović sobre a Guerra da Croácia, vista pelos olhos de uma criança, e A Serpente do Essex, um romance histórico da inglesa Sarah Perry, vencedor do prémio de livro do ano da Waterstone. Passado em Inglaterra, no século XIX, o livro conta a história de Cora Seaborne, uma viúva rica com uma personalidade muito peculiar. A Serpente de Essex foi ainda finalista do Costa Book Award 2016.

“A Serpente do Essex”, de Sarah Perry, chega às livrarias no final deste mês de março

Ficção, fantasia e outras leituras

Outra das novas apostas da Minotauro é a literatura fantástica. Para os primeiros seis meses do ano, a editora tem planeado o lançamento de dois livros de fantasia — Uma Magia Mais Escura, de V.E. Schwab, que deverá sair já no próximo mês de abril, e A Caminhada, de Drew Magary, que deverá ser publicado em maio. Na literatura infanto-juvenil, sairá Tek — Um Menino das Cavernas Muito à Frente, de Patrick McDonnell.

Na área da ficção, em abril sairá O Homem Que Duvidava, de Ethan Canin. Bestseller do The New York Times e um dos melhores livros de 2016 para a Amazon, em O Homem Que Duvidava Canin explora a natureza do génio, narrando a história de uma família na qual a “ambição caminha de mãos dadas com a destrutividade”, de acordo com a Minotauro. Maio será o mês de Comunidade, da norte-americana Ann Patchett.

Em junho, será publicado Mulheres Sem Nome, um romance histórico de Marth Hall Kelly. O livro segue o percurso de três mulheres muito diferentes, cujos destinos se cruzam durante a Segunda Guerra Mundial: uma norte-americana da alta sociedade, uma polaca envolvida no movimento de resistência que acaba por ser enviada para o campo de concentração feminino de Ravensbrück, e uma jovem médica alemã que aí trabalha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)