Paisagens

Já viu as Cataratas do Niagara sem água? Estavam assim em 1969

1.119

Em junho de 1969, engenheiros norte-americanos pararam o fluxo das Cataratas do Niagara para recolher pedra da base. A ideia correu mal e foi interrompida em novembro. Ficaram as fotos.

www.rarehistoricalphotos.com

Correm por minuto 1,8 milhões de metros cúbicos de água nas Cataratas do Niagara. É assim desde a última Idade do Gelo. Mas a magnificência das cataratas foi interrompida entre junho de 1969 e novembro do mesmo ano, quando uma equipa de engenheiros norte-americanos travou o fluxo de água para retirar pedra da base da queda de água.

A ideia era atrasar a erosão das pedras que compõem a catarata e aproveitar ainda para estudar o leito do rio. É que já em 1954 e em 1965, a imprensa tinha noticiado que essas pedras estavam a impedir o fluxo normal do rio e antecipavam que a queda de água podia cessar se não fossem removidas.

O plano foi assim iniciado, mas cinco meses depois as obras pararam por falta de dinheiro e as Cataratas do Niagara voltaram a correr normalmente.

Quatro décadas depois, em 2010, Russ Glasson mostrou ao mundo as fotografias das Cataratas sem água, que foram tiradas pelos sogros e guardadas numa velha caixa de sapatos. E as imagens foram recordadas pela Green Savers. Veja as imagens na fotogaleria.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
191

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)