Em 2018, o exame Harrison vai deixar de ser a única prova que os estudantes de Medicina têm de fazer para saber qual é a sua especialidade. A medida foi anunciada pelo jornal Público, que explica que um grupo de trabalho com que manteve reuniões ao logo de seis meses para chegar a uma avaliação alternativa.

Para já, a nova proposta de avaliação vai estar disponível para consulta pública durante 30 dias. Segundo o Público, este novo modelo — que está sujeito a ser alterado, consoante a receção que tiver e as recomendações que lhe forem feitas nesse período de 30 dias — vai alargar o leque de respostas de 100 para 150 perguntas. Também o tempo para fazer a prova vai ser alargado.

Uma das críticas recorrentemente feitas ao exame de Harrison — assim batizado por se basear exclusivamente no manual de referência Harrison’s Principles of Internal Medicine — é a atenção dada a pormenores estatísticos e detalhes numéricos e a falta de enfoque em casos clínicos. Agora, segundo o coordenador da Comissão Nacional nomeada pelo Ministério da Saúde para a criação da nova prova, António Sarmento, isso tenta ser corrigido. Este responsável refere ao Público que o novo teste assenta mais no “raciocínio clínico que um médico recém-licenciado deverá possuir” e que assim será “mais justo e melhor, tanto para os médicos como para os doentes”.

No novo modelo, segundo António Sarmento, o exame contará com uma bibliografia que irá para lá do livro de Tinsley Harrison (cardiologista norte-americano que morreu em 1978) e será “recomendada uma obra base consensualmente aceite a nível internacional para cada uma das áreas”.