O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, considerou hoje “estranho” que o Governo da República tenha enviado para a região autónoma dois helicópteros de combate a incêndios florestais sem informar o executivo regional.

“Achamos estranho que os meios aéreos tenham aparecido sem termos conhecimento institucional da questão”, afirmou Miguel Albuquerque, à margem da inauguração da Via Rápida Câmara de Lobos/Estreito de Câmara de Lobos, na zona oeste da ilha.

O governante realçou, no entanto, que as relações entre os governos regional e nacional são “normais” e têm de ser “desdramatizadas”, embora obedeçam sempre a “alguma dialética”.

O chefe do executivo madeirense comentava deste modo a presença de dois helicópteros no Aeroporto Cristiano Ronaldo, que deverão iniciar testes para apurar a sua eficácia no combate a incêndios florestais no início de maio.

O Governo Regional não teve conhecimento oficial da chegada dos meios aéreos e quem anunciou a realização dos testes foi o líder do PS/Madeira, Carlos Pereira, embora o estudo para apurar a eficácia do uso destes na região tenha sido solicitado pelo executivo de Miguel Albuquerque, na sequência dos incêndios de agosto de 2016, que provocaram prejuízos avaliados em 157 milhões de euros e em que morreram três pessoas.

“Uma coisa é o funcionamento dos partidos e o protagonismo que cada líder partidário tem de tirar destas questões. Outra coisa é o relacionamento institucional”, disse Miguel Albuquerque.

O governante vincou que é importante “não confundir as coisas”, sublinhando que é “essencial” dissociar a parte partidária da parte institucional quando o objetivo é credibilizar as relações entre dois governos eleitos.