Rádio Observador

Caso Maddie

Casal McCann recorre para justiça europeia contra ex-inspetor da PJ Gonçalo Amaral

Os pais de Maddie vão recorrer para as instâncias europeias da decisão de revogar a sentença que obrigava o ex-inspetor da Polícia Judiciária a pagar 500 mil euros ao casal.

Madeleine McCann desapareceu há 10 anos poucos dias antes de fazer quatro anos

MARCUS BRANDT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os pais de Madeleine McCann vão recorrer para as instâncias europeias contra a decisão da justiça portuguesa de revogar a sentença que obrigava o ex-inspetor da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral a pagar 500 mil euros ao casal. A 31 de Janeiro o Supremo Tribunal de Justiça tinha revogado o pagamento de uma indemnização por danos causados com a publicação do livro “Maddie: A Verdade da Mentira”.

“Vamos recorrer. Ainda não entregámos o recurso, mas vamos para os tribunais europeus”, afirmou o pai da criança, Gerry McCann, à BBC, na única entrevista que o casal concedeu a propósito do 10.º aniversário do desaparecimento de Madeleine McCann, e cuja reprodução foi autorizada para outros órgãos de comunicação social.

A 31 janeiro, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a decisão da Relação em revogar o pagamento de uma indemnização de 500 mil euros por Gonçalo Amaral aos pais da criança desaparecida em 2007 no Algarve, por danos causados com a publicação do livro intitulado “Maddie: A Verdade da Mentira”.

Gerry McCann lembrou que este processo foi iniciado há oito anos, quando o casal sentiu que o livro e subsequente documentário, que sugere o possível envolvimento dos pais numa morte acidental da filha, estava a prejudicar a campanha para encontrar Madeleine.

“Eu penso que é tudo inconcebível, tem sido muito perturbador, e causou muita frustração e raiva, o que é um sentimento muito negativo, e penso que precisamos de canalizar isso. Ainda tenho esperança que no fim a justiça prevaleça, e tudo acabe bem”, disse a mãe, Kate McCann.

O conflito com o antigo inspetor da PJ, que foi responsável inicialmente pela investigação ao desaparecimento, tem alimentado muitos comentários negativos na Internet, sobretudo nas redes sociais, o que faz com que o casal evite usar essas plataformas.

A principal preocupação, confessou, são os outros dois filhos, que atualmente têm 12 anos, pelo que têm tentado impedir que usem redes sociais como os jovens da idade deles.

“Temos sido o mais abertos possível com eles. Contámos-lhes sobre as coisas e que pessoas escrevem coisas que são simplesmente mentira e que eles precisam de ter consciência disso. Ainda não chegaram a uma idade em que estão na Internet e outros sítios, mas estão a chegar a essa fase. Estão em grupos fechados com os seus amigos, etc, e isso é importante”, comentou a progenitora.

O casal McCann louva o “apoio fantástico” recebido ao longo de dez anos, mesmo que sejam os comentários negativos que muitas vezes tenham destaque.

“A nossa experiência principal foi a bondade das pessoas e o apoio que tivemos ao longo de dez anos, e isso não diminuiu neste tempo todo”, garantiu Kate McCann.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)