Depois de ter anunciado a intenção de lançar três novos modelos equipados com tecnologia e-tron até 2020, ao mesmo tempo que estima que, até 2025, 30% das suas vendas sejam de veículos 100% eléctricos ou híbridos, a Audi pode agora estender algumas destas novidades já a próxima geração do seu navio-almirante A8. O qual, avança a Automotive News Europe, poderá surgir com um sistema híbrido de 48V, como forma de garantir uma maior poupança de combustível e menores emissões, a par de melhores prestações.

Segundo avança a mesma publicação, certo parece ser já que o novo topo de gama da marca dos quatro anéis, cuja chegada ao mercado deverá acontecer ainda este ano, contará com um sistema híbrido idêntico ao que, por exemplo, fabricantes como a rival Mercedes-Benz, ou a generalista Renault, já se encontram também a desenvolver. No caso da marca da estrela, para estrear já no próximo facelift do Classe S, ao passo que, no caso da marca do losango, já em utilização em modelos como os novos Mégane e Scénic.

A solução que a Audi se prepara para incluir no A8 compreende um alternador eléctrico impulsionado por uma bateria de iões de lítio de 48V, que permite desligar o motor de combustão sempre que o carro circula a uma velocidade estável em auto-estrada, trava, ou se imobiliza, recuperando o andamento em seguida. Quanto à bateria, tanto pode recarregar através do aproveitamento da energia desperdiçada na travagem, como através do motor de combustão.

Ainda de acordo com o responsável máximo da marca de Ingolstadt para o desenvolvimento deste tipo de sistemas, Alexander Kruse, o fabricante tem planos para aplicar soluções deste tipo em grande parte da sua oferta. Pelo que as próximas gerações dos modelos A6 e A7 (o primeiro deverá chegar em 2018, ao passo que o segundo deverá ser desvendado no próximo Salão de Frankfurt, em Setembro) já deverão contar com tecnologias idênticas.

Segundo adiantou ainda a mesma fonte, apenas os modelos mais pequenos não contarão com este sistema híbrido de 48V, passando a exibir, antes, uma bateria convencional, ainda que mais leve, a qual atenuará as necessidades de potência do motor de combustão, em períodos mais curtos.

Ganhar mais potência, com menos consumo

A Audi defende que o aproveitamento da energia armazenada em baterias ajuda a obter um aumento de potência na ordem dos 12 kW (pouco mais de 16 cv) e dos 60 Nm de binário, o que, no caso do sistema de 48V, pode ajudar a reduzir o consumo de combustível num motor V6, até 0,7 litros em cada 100 quilómetros. Isto, segundo o novo método de apuramento New European Driving Cycle (NEDC).

No caso do A8, o sistema deverá ser capaz de reduzir o consumo de combustível assim que o motor de combustão volta a trabalhar, após uma situação de velocidade estável. Sendo que o topo de gama deverá estar preparado para circular dessa forma durante até 45 segundos, quando a velocidades entre os 30 e os 160 km/h. No entanto, e assim que o condutor voltar a carregar no acelerador, caberá ao alternador ajudar também a recuperar a velocidade pretendida.

Quanto à recarga da bateria, será o sistema a decidir qual a melhor altura para o fazer – se utilizando o motor durante o período em que o A8 segue a uma velocidade estável, se aproveitando apenas a energia despendida na travagem. Sendo que, para isso, o modelo conta com uma câmara frontal para ler a estrada e, opcionalmente, com um sistema que, de forma preditiva, gere a eficiência, tomando em linha de conta o trajecto definido no sistema de navegação e outros dados recolhidos pelos sensores do carro.

A par deste sistema de 48V, o A8 conta ainda com um sistema eléctrico suplementar de 12V, com bateria própria, para os sistemas acessórios, como a iluminação, ar condicionado, a funcionamento da unidade de controlo electrónico do motor e outros equipamentos, assim como com um sistema independente para o arranque a frio.

Desactivação de cilindros e GNC

Ainda parte da estratégia de redução de consumos, a marca dos quatro anéis está também a trabalhar na aplicação da tecnologia de desactivação de cilindros, para os motores V6 e V8. Ao mesmo tempo, será também dada primazia aos chamados combustíveis alternativos, como o gás natural comprimido (GNC), razão pela qual o fabricante acaba de aumentar a sua oferta neste domínio, com o lançamento do A4 Avant g-tron e do A5 Sportback g-tron.

Recorde-se que a Audi anunciou que desvendará a quarta geração do A8 no dia 11 de Julho, sendo também já certo que o modelo surgirá com tecnologia de condução autónoma avançada, representando ainda o início de uma nova linguagem de design nos modelos do fabricante.