Rui Moreira

Candidatura do Porto à Agência do Medicamento apresentada “nos próximos dias”

A candidatura da cidade do Porto à Agência Europeia do Medicamento vai ser apresentada "nos próximos dias", garantiu Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto.

O Conselho de Ministros decidiu candidatar a cidade do Porto para acolher a Agência Europeia do Medicamento a 13 de julho

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara do Porto revelou esta terça-feira que “vai ser apresentada nos próximos dias” a candidatura portuguesa à Agência Europeia do Medicamento, que propõe o Porto para acolher a sede da instituição que vai deixar o Reino Unido.

Já há muito trabalho feito e espero apresentar uma candidatura europeia digna. Depois, terá também de haver algum trabalho diplomático, mas tenho muita confiança no trabalho do primeiro-ministro e do Presidente da República“, afirmou Rui Moreira, numa reunião camarária pública em que todo o executivo se uniu para saudar a decisão do Governo de candidatar o Porto à sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa).

Na sessão, o autarca distribuiu aos vereadores e aos jornalistas a carta que escreveu a 13 de julho ao primeiro-ministro, António Costa, destacando a “enorme dimensão política” da deliberação do Governo, a “valorização das complementaridades regionais” do país e o “auspicioso prenunciou de uma nova forma de governar Portugal”.

Para Moreira, a opção do Conselho de Ministros de candidatar o Porto à sede da EMA, depois de, numa primeira fase, ter escolhido Lisboa, “contrasta com uma lógica centralista que tem presidido às decisões de sucessivos” executivos. De acordo com o autarca, isto é, “pelo menos em parte, responsável pelo atraso estrutural de Portugal”.

“A valorização das nossas complementaridades regionais, tendo como objetivo último a competitividade do todo nacional, deixa, assim, de ser um mero argumento retórico”, frisou Moreira, na missiva. O assunto foi abordado na sessão camarária por Amorim Pereira, vereador eleito pelo PSD, que sublinhou a “vitória do Porto mas também da liderança do Porto”. “São estes momentos que nos fazem ter orgulho de fazer parte desta vereação”, afirmou.

O socialista Manuel Pizarro, com quem Moreira manteve, até maio, uma coligação pós-eleitoral, sublinhou que o Governo se comportou “de forma muito digna”. “Numa democracia evoluída, quando se toma uma decisão com base em argumentos incompletos, é normal voltar atrás. O Governo sai engrandecido desta decisão”, frisou. Para Pizarro, esta é a prova de que “nem todos os partidos no governo se comportam da mesma forma com o Porto”. “É também a mostra de que vale sempre a pena lutar de forma convincente e organizada”, acrescentou.

Pedro Carvalho, da CDU, apelou à preparação de uma “candidatura vencedora”, notando que “o envolvimento das forças vivas da cidade vai ser fundamental” para a mesma.

O Conselho de Ministros decidiu a 13 de julho candidatar a cidade do Porto para acolher a EMA, por considerar ser a cidade portuguesa que “apresenta melhores condições para acolher a sede daquela instituição”. Na ocasião, o ministro da Saúde indicou que o Porto tem “todas as condições” para acolher a sede da EMA, incluindo “instalações logísticas” capazes de, com “um pequeno esforço de adaptação”, acolher os cerca de 900 funcionários que atualmente trabalham na sede daquela agência em Londres. Quanto às possíveis localizações na cidade, o ministro da Saúde apontou que está sinalizado “um edifício na praça D. João I, que apresenta condições técnicas muito adequadas”.

Inicialmente, Lisboa era a única candidata nacional, mas o Governo reabriu o processo de forma a integrar também o Porto. Praticamente todos os Estados-membros da União Europeia já apresentaram ou vão apresentar uma candidatura a sede da EMA, relativamente à qual deve existir uma decisão final em outubro ou novembro. Lisboa já é sede de duas agências europeias, a da Segurança Marítima e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)