Apesar da construção em altura, bares em rooftops foram coisa que nunca abundou na zona do Parque das Nações, em Lisboa. Depois de dois anos com o terraço a funcionar só para grupos, já o restaurante Oitava Colina tinha ido à vida, o Tivoli Oriente resolveu deitar mãos ao seu. Arejou-o, deixou-o ainda mais panorâmico e trocou as voltas a quem ainda tinha na memória o espaço anterior. O novo Sky Bar ainda está em soft opening mas a vista desafogada sobre o mar da palha está a funcionar em pleno. Ao manancial “instagramável” junta-se a carta, obviamente pensada para fazer subir, mas sobretudo para se demorar lá em cima.

Para já, o novo Sky Bar está a abrir às 17h, mas com a inauguração oficial, planeada para setembro, os clientes podem chegar a partir das 9h. O menu só podia estar à altura, dividido em três partes: petiscos, acepipes para partilhar (finger food, em bom estrangeiro) e sushi, o prato forte do novo rooftop do Parque das Nações. Neste capítulo, as estrelas são mesmo os combinados (60€ a 90€) que o sushiman de serviço compõe a seu bel-prazer.

Um dos combinados de sushi do Sky Bar Oriente. © João Porfírio/Observador

Não espere, por isso, repetir o sortido de peças à segunda visita, porque o mais provável é haver sempre qualquer coisa nunca antes provada. Numa ementa marcada pelo sushi de fusão, prepare-se também para as surpresas, do toque de maracujá no sashimi de salmão aos gunkans em que a folha de alga dá lugar a morangos frescos. As opções são de 30, 40 e 60 peças. No que toca aos snacks, a lista não é extensa, mas vai ficando elaborada. Começa com um simples guacamole com camarão (14€) e termina no ceviche, passando pelo torriscado de rosbife com parmesão (12€).

Partilhar é a palavra de ordem e não é só na comida. Não é à toa que mojitos, sangrias, caipirinhas e margaritas são servidos ao jarro (28€ a 40€), na dose certa para um brinde a quatro. Não gosta de repartir? É legítimo e também se safa. O Meet The Irish Jullep, um dos cocktails de assinatura, é dos tais para quem não aprecia bebidas demasiado doces. O whisky está lá, mas camuflado pelo gengibre e por licor de malagueta. Sky Sour, outro néctar pouco adocicado, cortado por citrinos. Se gostar deles docinhos, arrisque no Shinning Every Day. Além do nome que afaga o ego, é açúcar puro, com uma receita à base de Malibu, Pisang Ambon e ananás (todos a 13€).

Com uma boa dose de açúcar, o cocktail Shinning Every Day. © João Porfírio/Observador

A programação também é uma prioridade da casa. Numa zona cheia de escritórios e onde os momentos after work são antecipados para as 17h30/18h, a música é uma parte importante. Não tarda nada, os primeiros DJs vão ser anunciados, um chamariz para quem trabalha e mora nas imediações. Resumindo, o novo Sky bar cheira e sabe a verão, embora não seja só mais um terraço sazonal. As portas de vidro que, agora escancaradas, quase não separam o interior alcatifado do deck a céu aberto, fecham-se no inverno e deixam o espaço acolhedor. A vista do 16º andar, essa continua lá, faça chuva ou faça sol.

Nome: Sky Bar Oriente
Morada: Avenida D. João II, 27, 16º andar (Lisboa)
Telefone: 21 891 5100
Horário: Todos os dias, das 17h00 à 01h00 (abre às 09h.00 a partir de setembro)
Site: www.facebook.com/skybaroriente