Menos de um ano depois de ter declarado que estavam fora de moda, parece que a Vogue voltou a ver os decotes generosos com bons olhos. Foi Rihanna a reacender o tema, ao pisar a passadeira vermelha com um vestido de alta-costura Giambattista Valli, na antestreia do filme Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, no último domingo, em Londres.

A verdade é que a história das passadeiras vermelhas está cheia de momentos como este em que, de repente, não há olhos para mais nada. Se Marilyn Monroe foi a rainha dos decotes, na Hollywood dos anos 50, hoje estão mais do que democratizados e nem o apelo ao recato de Anna Wintour, diretora da Vogue norte-americana fez com que subissem. É certo que as proporções anatómicas definem sempre o resultado final. Pamela Anderson e Nicki Minaj estão em vantagem (ou não), enquanto seios mais pequenos têm mais facilidade em passar no teste dos polícias da moda.

View this post on Instagram

???? @badgalriri

A post shared by Cara Delevingne (@caradelevingne) on

Mas pela reação da internet, o decote de Rihanna não é um decote qualquer. A cantora nunca teve grandes pudores (basta lembrar o vestido transparente e cintilante que usou em 2014, na gala dos Council of Fashion Designers of America Awards). Talvez tenha sido mesmo a aparente situação de aperto a chamar a atenção dos mirones e dos criadores de memes. É que nem a modelo Cara Delevingne resistiu.

Em fotogaleria apanhamos a boleia do momento e mostramos alguns dos decotes que marcaram festas e passadeiras vermelhas nas últimas décadas.