Rádio Observador

Estilo

Antes e depois: Rihanna

Num dia loira, noutro dia morena, de vestido de cauda ou transparente, Rihanna é tudo menos aborrecida. Na data em que a cantora faz 29 anos, passamos em revista o seu estilo atrevido e ousado.

She jiggy like Madonna but she trippy like Nirvana” (ela é elegante como Madonna mas incrível como Nirvana), canta A$AP Rocky a propósito de Rihanna. A caraterização perfeita para descrever o estilo daquela que é uma das cantoras mais populares da sua geração. Robyn Rihanna Fenty é um dos maiores ícones de moda do momento e tudo começou com calças largas, barriga de fora e ténis Converse quando tinha apenas 17 anos. Bastou uma audição com Jay-Z para assinar contrato com a reconhecida editora Def Jam Recordings. Estávamos em 2005 e a jovem artista de Barbados sabia bem o que queria mas estava longe de imaginar o que aí vinha.

O primeiro álbum, Music of the Sun, foi um bom prenúncio. Até 2008, Rihanna era mesmo o sol de qualquer passadeira vermelha com looks sensuais inspirados em referências do hip hop e R&B. A partir de 2009, pediu uma ovação pelo sucesso de Umbrella e Take a Bow mas preferiram fazer-lhe uma vénia pela coragem e ousadia de estilo nas aparições públicas. Seja dentro ou fora do palco, a cantora divide opiniões mas o que é certo é que nunca passa despercebida. O ousado Marchesa de 2010 e o provocante Jean Paul Gaultier Couture que levou aos Grammys em 2011 foram prova disso.

491768862

O mais recente trabalho de Rihanna chama-se “Anti” e é o seu oitavo álbum. (foto: Christopher Polk/Getty Images)

A partir de 2012, tornou-se evidente que Rihanna é uma força da natureza que surpreende sempre que sai à rua. Seja em Dior ou em Alexander McQueen, a cantora com 11 anos de carreira tem a aplaudida capacidade de conjugar (e bem) o estilo feminino e delicado com o lado mais trendy e controverso. Um dia brilha tanto como um diamante (como na sua própria música), no outro entra na lista das piores vestidas do ano ou serve de inspiração para memes de omeletes e pizzas. Uma coisa é certa: não joga pelo seguro, arrisca como poucas e merece outra vénia por isso.

Rihanna muda de cor e corte de cabelo como um camaleão mas nunca aparece irreconhecível. Em 2014, a extravagância das escolhas decotadas e ousadas transformou-se numa imagem de marca complementada por acessórios irreverentes. Estava conquistado o título de it girl à conta de uma elegância atrevida, tal como Madonna, e de uma personalidade irreverente, tal como Nirvana. Um nome a respeitar na moda que culminou na coleção que apresentou durante a última New York Fashion Week para a Puma.

Artigo atualizado no dia 20 de fevereiro de 2017.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)