Rádio Observador

Funchal

Uma festa que vem de 1500 e envolve três lendas

154

A primeira ermida da Senhora do Monte é de 1470 e é dedicada a uma aparição a uma pastorinha. A adoração terá começado pouco depois e há relato de mais milagres.

A Festa de Nossa Senhora do Monte no Funchal é a principal festa cristã da Madeira e todos os anos envolve milhares de pessoas que se deslocam até à cidade para a celebração de dois dias, 14 e 15 de agosto. Pelas datas, tempo de férias, além da população local também muitos emigrantes se deslocam à ilha para celebrar uma tradição que há quem diga remontar aos primórdios da colonização da Madeira, em 1425.

O Monte, onde fica a igreja, é enfeitado com corredores de flores de papel coloridas e rodeado de barracas coloridas de comida e bebidas tradicionais, desde as espetadas, do bolo do caco até à famosa poncha. Há também música e arraiais, que se iniciam logo a 5 de agosto, com as novenas diárias.

O arraial acontece sobretudo na noite de 14 de agosto, enquanto o dia 15 é dedicado à devoção religiosa. É o dia Santo de Guarda, em que, após a missa das 11h00 (em latim) os fiéis acompanham a procissão, que percorre grande parte da freguesia. Foi antes de começar este ritual que caiu a árvore sobre os fiéis, levando ao cancelamento da procissão.

Há várias as lendas associadas a esta festa.

A da Aparição de Nossa Senhora a uma Pastorinha: segundo o site do turismo da Madeira, no final do século XV, no Terreiro da Luta, a cerca de 1 km da Senhora do Monte, uma pastorinha estaria a brincar, quando uma senhora apareceu e lhe deu um lanche. No dia seguinte, a cena repetiu-se. Ao terceiro dia, o pai escondeu-se para observar e terá visto a Virgem. Assim nasceu a ermida inicial, construída em 1470, e o nome do monte. Na atual igreja há um azulejo alusivo à lenda.

A lenda dos Huguenotes ou calvinistas franceses: esta história remonta a outubro de 1566 quando numa ausência do 5º Capitão-Donatário do Funchal, Simão Gonçalves da Câmara, em Lisboa, terão chegado à Madeira 11 navios com mil e duzentos corsários franceses calvinistas que roubaram e saquearam a ilha. Nem a Igreja de Nossa Senhora do Monte foi poupada. No livro “Saudades da Terra”, Gaspar Frutuoso conta que “os hereges franceses, nas suas fúrias de destruição foram à Igreja de Nª Senhora do Monte, e um deles pegando na imagem da Virgem despiu-a, atirando-a, pelos degraus de pedra, para a despedaçar. Porém, os degraus fizeram-se em pedaços e a imagem ficou intacta. Arremessando com fúria a Imagem aos degraus, pela terceira vez, uma lasca de pedra viva saltou, penetrando no coração do herege que ali morreu instantaneamente”. Nasceu a segunda lenda.

A da Ribeira das Cales: a água da ribeira, que fica a 1980 metros de altitude, é tansportada pelas tradicionais levadas para grandes distâncias para ser usada na rega, terá um dia desaparecido. A ribeira ficou seca. Depois de uma romaria de fiéis que levaram a imagem da Senhora do Monte até à nascente, a água terá reaparecido em grande caudal e levada em ‘cales’ até às levadas. Ficou o nome: “Ribeira das Cales”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)