A idade é um fator determinante para a frequência das relações sexuais. Não há um valor exato para o número de relações, mas é possível determinar uma média recomendada, segundo um estudo argentino do Instituto Kinsey para a Investigação do Sexo, da Reprodução e de Género.

O estudo conclui que as relações sexuais são mais frequentes nos jovens. É nesta faixa etária que há maior frequência já que não existem fatores que condicionem essa prática sexual – como responsabilidades familiares, a debilidade física ou problemas de saúde.

Concluíram os investigadores que pessoas entre os 19 e 29 anos têm uma média de 112 encontros sexuais por ano, o que equivale a dois encontros por semana. Entre 29 e 39 anos, o número desce e fixa-se em 86 encontros por ano (cerca de 1,6 vezes por semana). Já no intervalo de idades de 39 e 49 anos, a média de relações cai para 69 por ano, quase metade relativamente à primeira faixa etária.

De acordo com as conclusões, contrair matrimónio é um fator essencial para a frequência da prática sexual. Isto porque, além de 34% dos casais admitir ter sexo entre duas a três vezes por semana, os investigadores comprovaram ainda que pessoas casadas ou comprometidas que têm sexo regularmente são mais felizes, o que acaba por não levar a uma necessidade tão frequente dessa prática. As conclusões determinaram ainda que o sexo é mais proveitoso em casais que têm relações quatro ou mais vezes por semana do que aqueles que praticam apenas uma vez nesse período.

Relativamente a esse “aproveitamento”, dizem os investigadores que são as mulheres mais velhas e comprometidas quem desfruta mais das relações, primeiro porque com a idade conhecem-se melhor a si próprias – e ao próprio casal – e porque, apesar de não o fazerem com tanta regularidade como quando eram mais jovens, a qualidade supera a quantidade.