Seis pessoas foram condenadas por um tribunal francês por invasão de privacidade a Kate Middleton. O tribunal condenou a diretora da revista cor-de-rosa Closer e o diretor-geral do grupo proprietário da publicação a pagarem uma multa de 45 mil euros, por terem publicado uma fotografia da duquesa em topless. Também outros dois fotógrafos envolvidos no caso foram acusados de cumplicidade, tal como de invasão de privacidade.

O tribunal ordenou ainda à revista o pagamento de 100 mil euros, por danos morais à Duquesa de Cambridge e ao Príncipe William — cada um receberá 50 mil euros por danos e juros. O casal pedia uma indemnização de 1.5 milhões de euros.

O caso remonta a 2012, quando a revista francesa publicou uma foto do casal a passar férias, e acompanhou a fotografia com a legenda “Kate e William, as suas férias muito quentes na Provença”. A fotografia mostrava uma imagem pixelada de uma mulher com cabelo negro, em biquíni, aparentemente a remover a parte de cima e que, indicava a publicação, era a Duquesa.

Seis pessoas julgadas por fotografias tiradas a Kate Middleton em topless

O casal argumentou que se sentia desrespeitado com a publicação, argumentando que as fotografias traziam à memória a mãe de William, a Princesa Diana, quando morreu durante uma perseguição automóvel por paparazzis.