Deutsche Bank

“Um grande número” de empregos na banca vai para os robôs, diz o presidente do Deutsche Bank

149

Presidente do Deutsche Bank não tem dúvidas, nem paninhos quentes. Um "grande número" de postos de trabalho na banca vai ser perdido para a automação -- "vai acontecer".

ARNE DEDERT/EPA

John Cryan, o presidente do Deutsche Bank não tem dúvidas, nem paninhos quentes. Um “grande número” de postos de trabalho na banca vai ser perdido para a automação, um resultado natural do facto de hoje termos, diz o responsável, “muitas pessoas que passam o dia a funcionar como ábacos”. A crescente automação até poderá levar a melhores empregos, mas não há como contornar o facto de cada vez serem necessárias menos pessoas.

“No nosso banco temos pessoas a trabalhar como robôs. E no futuro vamos ter robôs a comportar-se como pessoas. Não é uma questão de saber se nós, como banco, vamos participar nessas mudanças ou não. Vai acontecer”, afirmou John Cryan, numa conferência em Frankfurt esta quarta-feira. “A dura realidade para o setor bancário é que não iremos precisar de tantas pessoas quantas temos hoje”, acrescentou o responsável.

Todo o setor financeiro terá de se adaptar, mas o Deutsche Bank está entre os gigantes europeus sob maior pressão para reequilibrar a estrutura de custos — a instituição tem em curso um plano de reestruturação de cinco anos, que envolverá reduzir o número de postos de trabalho, atualmente a rondar as 100 mil pessoas em todo o mundo.

John Cryan falou do caso do banco que lidera, mas a análise poderá estender-se às outras instituições do setor. “Temos muitos contabilistas dentro do banco que passam muito tempo, basicamente, a funcionar como ábacos”, atirou.

Se olharmos para um contabilista a trabalhar no banco, uma grande parte do seu trabalho é produzir números. Demoram três ou quatro semanas a produzir um relatório e, depois, passam a trabalhar noutro relatório. Não seria ótimo se máquinas pudessem produzir o mesmo relatório em algumas horas? Aí os contabilistas poderiam dedicar o seu tempo a analisar os números, formar opiniões válidas sobre eles — pensar sobre o que os números significam, e não apenas produzi-los”.

A banca está a ter que investir (e contratar) cada vez mais em especialistas em regulação, porque a própria regulação é cada vez mais intensa. Mas a mudança do modelo de serviço, com menos pessoas e menos sucursais, já está a constatar-se em Portugal — e as novas tecnologias vão acentuar este movimento. Ainda esta semana, segundo contas do Correio da Manhã, foi noticiado que os principais bancos nacionais perderam 7.196 trabalhadores nos últimos 10 anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)