É o topo de gama da HMD Global, a startup finlandesa que pôs a Nokia de novo no mercado. No evento de apresentação, esta quarta-feira, em Lisboa, a empresa revelou o Nokia 8, o smartphone que quer competir com os melhores equipamentos no mercado. Custa 600 euros e já está disponível nas lojas portuguesas.

Com apenas oito meses de vida, a HMD já lançou os Nokia 3, 5 e 6 (e ainda ressuscitou o Nokia 3310 com um novo look). O Nokia 8 é o novo topo de gama da empresa, vem equipado com um ecrã Corning Gorilla glass 5, de 5.3 polegadas, é resistente à água, tem dupla câmara traseira e uma frontal com lentes Zeiss, todas com 13 megapíxeis, sensor de impressões digitais e um processador Snapdragon 835, Octa-core (as especificações completas estão disponíveis aqui).

O sistema operativo é o Android “mais puro que há”, segundo a HMD, ou seja, vem sem blootware — aplicações introduzidas pelo fabricante. Apesar de vir com o Android Nougat (7.1.1) instalado, a atualização para o Android Oreo acontecerá “assim que possível”, garante a empresa.

O Observador esteve presente no evento de apresentação e pudemos experimentar um pouco do que o novo equipamento tem para oferecer. Especificações técnicas à parte (pois em hardware tem quase tudo o que os concorrentes na mesma gama têm), tem o corpo em alumínio que aparenta ser tão resistente como os antigos Nokia Lumia 920 e 930.

A imagem da câmara é limpa e o sistema corre sem problemas várias aplicações e sites em simultâneo. Os 160 gramas do aparelho, aliados à espessura de 7.9 milímetros, são cómodos na mão. O design de cantos curvos fazem do Nokia 8 um telemóvel que não passa despercebido. Quanto ao som, a Nokia gaba-se da tecnologia “OZO Audio, usada em Hollywood”, mas apenas foi possível perceber que, numa sala com elevado “barulho ambiente”, os vídeos no YouTube eram percetíveis.

Nokia 8

As câmaras traseiras do Nokia 8 são feitas pela Zeiss

No entanto, foi nas “bothie” que a Nokia nos quis surpreender. A aplicação da câmara de fotografias nativa do Android, além de um modo a preto e branco, deixa fotografar em simultâneo com a câmara frontal e traseira. Na prática, permite mostrar a imagem que se tira e a reação de quem a fotografa.

O resultado é interessante, podendo-se antever usos originais da funcionalidade. A fluidez com que se abre a aplicação e aciona essa opção é rápida, mas foi preciso que nos mostrassem como lá chegar (está “escondida” numa lista de modos no menu da câmara). No vídeo abaixo é possível perceber alguns dos usos.

https://www.youtube.com/watch?v=Mu_obVKXUx4

Quanto ao sucesso futuro do produto, Luís Peixe, responsável pela HMD na península ibérica, assume que não é só a nostalgia da Nokia que pode cativar. “No final, é o mercado que decide”, afirmou.

Não revelando números, mas com as expectativas de vendas em Portugal e Espanha cumpridas com os primeiros modelos, o Nokia 8 é o grande lançamento da marca desde o regresso em 2016.

nokia 8 com nokia 8

Nesta imagem vemos o novo Nokia 8, numa fotografia que tirámos com o mesmo modelo