Juan Ignacio Zoido, ministro espanhol do Interior, José Antonio Nieto, secretário de Estado da Segurança, e os responsáveis máximos políticos e operacionais da Polícia e a Guarda Civil estão na manhã desta quarta-feira em reunião de emergência, convocada para “analisar o assédio dos independentistas radicais da Catalunha às Forças de Segurança do Estado e para avaliar novas medidas”, informa o El Mundo.

Em causa, continua o jornal, estarão as investidas dos independentistas contra os locais onde estão instalados os agentes enviados pelo governo de Madrid para a região, a fim de impedir a realização do referendo do passado dia 1 de outubro. Vários dos hotéis onde estão instalados os polícias e guardas civis já lhes terão solicitado que abandonem as suas instalações, diz o El Mundo.

Vários vídeos publicados nas redes sociais, mostram polícias refugiados em hotéis e manifestantes nas ruas. Estes foram captados em Pineda del Mar, a cerca de 60 km de Barcelona e a menos de 20 km de Lloret del Mar.

Zoido, que entretanto esteve também reunido com Mariano Rajoy, com a vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, e com o ministro do Turismo, já garantiu aos jornalistas que os membros das forças de segurança não abandonarão nenhum dos hotéis onde tenham “contratos em vigor”. E acusou Carles Puigdemont de incentivar ao ódio contra Polícia e Guarda Civil: “O que está a acontecer é consequência direta das palavras do senhor Puigdemont que pediu que guardas civis e polícias abandonassem a Catalunha”.

No final, o ministro do Interior espanhol garantiu ainda que todos os atos contra as forças de segurança “terão a correspondente resposta jurídica própria de um Estado de direito”.