Rádio Observador

Orçamento do Estado

Mais 3.500 professores vão poder entrar nos quadros no próximo ano letivo

Pelo menos mais 3.500 professores vão poder entrar nos quadros em 2018. Professores com três anos de horários anuais e completos serão obrigatoriamente integrados.

Ao fim de "três anos ou duas renovações" de horários anuais e completos "no mesmo grupo de recrutamento ou em grupos de recrutamento diferentes" professores passam para os quadros

NUNO VEIGA/LUSA

Autores
  • Marlene Carriço
  • Nuno André Martins

Por via da norma-travão — que obriga o Estado a integrar professores nos quadros ao fim de um certo número de anos –, ou através de um novo concurso de vinculação extraordinária, pelo menos mais 3.500 professores vão poder entrar para os quadros no próximo ano. A norma consta da versão final da proposta de Orçamento do Estado para 2018 e confirma aquilo que a deputada bloquista Joana Mortágua já tinha avançado, esta quinta-feira.

“É aberto, no ano letivo de 2017/2018, um processo de vinculação extraordinário do pessoal docente com contrato a termo resolutivo dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário do Ministério da Educação, que, em conjunto com a vinculação resultante do concurso externo, compreenda um número de vagas não inferior à soma das vagas abertas nos concursos lançados no presente ano, lê-se no referido documento.

Este ano foram abertas 2.019 vagas na portaria do concurso de vinculação extraordinária e 443 vagas para integrar docentes por via da norma-travão, num total de 3.462 vagas. As vagas da norma-travão foram totalmente preenchidas e a esses professores somaram-se outros 2.820 que conseguiram lugar no âmbito da vinculação extraordinária, num total de 3.263 docentes a mais este ano letivo.

E embora a versão da proposta final não detalhe quantos vagas, em cada um dos concursos, vão abrir no próximo ano, na quinta-feira, a deputada Joana Mortágua, que antecipou a notícia, detalhou esses números. A bloquista explicou que cerca de 2.300 professores vão passar aos quadros por via da vinculação externa, acrescentando que os detalhes desse concurso ainda serão definidos em portaria, a sair. E que 1.200 vão entrar por via da norma-travão, ou seja, o triplo dos que entraram este ano.

Ao fim de três anos de horários anuais e completos professores entram para os quadros

E porque é que triplica o número de professores a entrar nos quadros por via da norma-travão? Porque o Governo acedeu à reivindicação dos sindicatos dos professores e dos partidos mais à esquerda e alterou as regras da norma-travão, criada pelo ex-ministro da Educação Nuno Crato, em 2014, por imposição da Comissão Europeia que queria travar a utilização abusiva de contratos a prazo. De origem esta norma previa a passagem aos quadros ao fim de cinco contratos e quatro renovações, exigência essa que foi abrandada pelo atual Governo para os quatro anos e três renovações e que volta agora a ser suavizada.

Assim, a partir de 2018, em vez de “quatro anos ou três renovações” de horários anuais e completos “no mesmo grupo de recrutamento”, bastará aos professores terem “três anos ou duas renovações” de horários anuais e completos “no mesmo grupo de recrutamento ou em grupos de recrutamento diferentes”.

As medidas relativas à vinculação de professores e a promessa de passar aos quadros pelo menos 3.500, estiveram até à última para ser inscritas na versão final da proposta do OE para 2018. O que só veio a acontecer esta quinta-feira, na reunião de Conselho de Ministros, já depois de o Bloco de Esquerda ter reunido com o ministro da Educação, na noite de quarta-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)