Esta quinta-feira é o primeiro dia de inverno. Na verdade, a estação mais fria do ano começou às 16h28. E já todos ouvimos as nossas avós contar a lenga-lenga do costume: “A partir de hoje, os dias já começam a ficar maiores!”. Mas sabe porque é que isso acontece? Sabe porque é o sol nasce mais tarde e põe-se mais cedo? E sabe porque é que o inverno é a estação do ano mais curta? O Observador reuniu sete factos que (provavelmente) não sabe sobre o inverno.

A noite mais longa do ano

Mais de 14 horas de escuridão

O dia do solstício de inverno é também a noite mais longa do ano. Esta quinta-feira, a noite deve prolongar-se por mais de 14 horas, enquanto que o período de luz solar tem pouco mais de nove. O El Mundo explica que, por mais estranho que pareça, o dia mais curto do ano não é aquele em que o sol nasce mais tarde nem tão pouco o dia em que se põe mais cedo. Isto acontece porque a órbita da Terra é uma elipse, e o eixo dessa elipse não tem nada a ver com a inclinação do eixo terrestre que, por conseguinte, define as estações do ano.

Por exemplo, o anoitecer mais prematuro de 2017 foi no dia 8 de dezembro, enquanto que o amanhecer mais tardio deste inverno vai ter lugar a 4 de janeiro.

A noite em que estamos mais perto do sol

Menos cinco milhões de quilómetros do que em julho

No primeiro dia de inverno, o Pólo Norte está mais perto do sol do que o Pólo Sul. Visto da Terra ao meio-dia, o sol está no Trópico de Capricórnio – a posição mais a sul que pode assumir. É aqui que se reúnem as circunstâncias que dão origem ao início do inverno no hemisfério norte: quando a Terra, no seu movimento elíptico à volta do sol, se encontra o mais perto possível dele.

O ponto de maior proximidade – que se chama periélio – acontece no dia 3 de janeiro. Nesse dia, o nosso planeta vai estar a 147 milhões de quilómetros do sol, ou seja, menos 5 milhões de quilómetros de distância do que durante o verão do hemisfério norte.

Meses de noite polar vão a meio

Seis meses sem sol

O início do inverno também assinala o ponto médio dos meses de noite polar. A 22 de setembro, o Pólo Norte ficou mergulhado numa noite que só termina daqui a três meses, quando chegar a primavera.

Este inverno tem direito a super lua

E chega já no segundo dia do ano

A primeira lua cheia deste inverno vai ser também uma super lua. Já no dia 2 de janeiro, prepare-se para ver o seu Facebook e Instagram cheios de imagens desfocadas da lua que não a mostrarão tão grande como de facto vai estar.

A chuva de meteoros vai continuar

Mas a lua vai estragar a festa

A chuva de meteoros já começou na semana passada mas ainda não acabou. Depois de uns dias mais discretos, atinge a máxima força a 3 de janeiro, mas existe um problema: a super lua do dia anterior, que ainda vai ter um grande impacto no dia seguinte, vai tornar difícil a observação dos meteoros. As redes sociais vão ter de escolher entre a lua e os meteoros e decidir qual dos dois garante mais likes.

Dois eclipses, mas nenhum para os nossos lados

Nenhum vai ser visível em Portugal

O inverno deste ano vai acolher dois eclipses parciais, um da lua e outro do sol. Mas, para infelicidade daqueles que gostam de comprar os óculos XPTO e tentar ver estes fenómenos, nenhum deles vai ser visível a partir de Portugal.

É a estação mais curta de todas

Num piscar de olhos, o verão está aí

Para os friorentos, dura séculos. Mas a verdade é que o inverno é estação mais curta das quatro. Termina no dia 20 de março de 2018 e dura apenas 88 dias e 23 horas. Isto acontece devido à Segunda Lei de Kepler: a linha que liga a Terra ao sol abrange áreas iguais em tempos iguais. Como o nosso planeta está agora na posição mais próxima do sol, vai mover-se com maior velocidade, logo, tornar o inverno bem mais rápido do que as outras três estações.