Cinema

Doze filmes para vermos em 2018 até os Óscares chegarem

451

Eurico de Barros seleccionou uma dúzia de filmes que se estreiam em Janeiro e Fevereiro, vários dos quais estarão na lista dos nomeados aos Óscares, que serão entregues no próximo dia 4 de Março

Autor
  • Eurico de Barros
Mais sobre

“Jogo da Alta-Roda”

de Aaron Sorkin

O primeiro filme como realizador do criador da série “Os Homens do Presidente” e argumentista de filmes como “A Rede Social”, “Moneyball” ou “Jobs” é a história real de Molly Bloom, uma ex-esquiadora olímpica e aluna brilhante, que aos vinte e poucos anos organizava jogos de póquer particulares em Los Angeles e Nova Iorque, onde participavam milionários e estrelas do desporto e de Hollywood, como Ben Affleck ou Tobey Maguire. Molly acabou detida pelo FBI, sem dinheiro e acusada de vários crimes federais, incluindo organização ilegal de jogos de azar e envolvimento com as mafias russa e italiana. Jessica Chastain interpreta-a com garra. (Estreia dia 4 de Janeiro)

“A Hora Mais Negra”

de Joe Wright

O realizador de “Expiação” e “Ann a Karenina” elegeu Winston Churchill como protagonista deste drama histórico-biográfico, dando o papel do estadista a Gary Oldman. Em Maio de 1940, poucos dias depois de ser nomeado primeiro-ministro e da Alemanha invadir a Bélgica e a Holanda, Churchill enfrenta aqueles que na Grã-Bretanha são a favor de não declarar guerra a Hitler, um rei céptico quanto às suas capacidades políticas e os que no seu próprio partido não o consideram o homem certo para o cargo, forçando um voto de não-confiança no Parlamento. Também com Kristin Scott Thomas no papel de Clementine Churchill. (Estreia dia 11 de Janeiro)

“Três Cartazes à Beira da Estrada”

de Martin McDonagh

Mildred (Frances McDormand) vive em Ebbing, no Missouri. A sua filha foi violada e assassinada. Meses depois da tragédia, Mildred compra espaço em três cartazes que são postos à entrada da sua cidadezinha, para expressar publicamente a sua desconfiança na capacidade do xerife local (Woody Harrelson) para resolver o homicídio da filha, capturar o culpado e trazê-lo perante a justiça. E como quer Mildred, quer o xerife, são bem considerados em Ebbing, as pessoas começam a escolher lados e o mal-estar a instalar-se na comunidade. Uma história americana escrita e realizada pelo dramaturgo anglo-irlandês Martin McDonagh. (Estreia dia 11 de Janeiro)

“The Post”

de Steven Spielberg

O novo filme de Steven Spielberg é um hino à liberdade de imprensa e passa-se no início dos anos 70, durante a vigência de Richard Nixon na Casa Branca. Meryl Streep interpreta Katharine Graham, a nova proprietária do “The Washington Post”, e Tom Hanks o editor do jornal, Ben Bradlee. Em causa está a publicação de documentos confidenciais do Pentágono, em nome do interesse público. Estes revelam factos ocultados à nação sobre o envolvimento dos EUA na guerra do Vietname, que comprometem não só a administração do Republicano Nixon, como também a dos presidentes Democratas anteriores, John Kennedy e Lyndon Johnson. Jornalistas e governo entram assim em rota de colisão. (Estreia dia 25 de Janeiro)

“A Forma da Água”

de Guillermo del Toro

Sally Hawkins, Michael Shannon e Octavia Spencer são os principais intérpretes deste filme fantástico de Guillermo del Toro, que venceu o Festival de Veneza em Setembro, e que é um “filme de monstros” virado do avesso, passado nos anos 60. O dito monstro, uma criatura anfíbia capturada na América do Sul e trazida para observação para um laboratório numa base militar dos EUA, não representa um perigo para o homem. Elisa (Hawkins), uma empregada de limpeza do laboratório, muda e solitária, consegue comunicar com ele por linguagem gestual e decide ajudá-lo a fugir. A tropa e os cientistas é que não estão pelos ajustes. (Estreia dia 1 de Fevereiro)

“Linha Fantasma”

de Paul Thomas Anderson

Londres, década de 50. Reynolds Woodcock é o costureiro da moda que membros da família real e aristocratas e senhoras da alta sociedade solicitam para fazer os seus vestidos. Woodcock é um solteirão que trabalha em cerrada associação com a irmã, Cyril. Um dia, conhece a jovem Alma, pela qual se apaixona, e que lhe desarruma por completo a sua vida cuidadosamente planeada e controlada. Daniel Day-Lewis vai encerrar a sua carreira na representação e despedir-se do público neste filme de Paul Thomas Anderson, que o dirige pela segunda vez após “Haverá Sangue” (2007). (Estreia dia 1 de Fevereiro)

“As Estrelas Não Morrem em Liverpool”

de Paul McGuigan

A história real do romance que juntou, nos anos 70, em Inglaterra, a oscarizada actriz americana Gloria Grahame, então na fase descendente da sua carreira e a sofrer de cancro, e um jovem actor inglês, Peter Turner. Este ficou ao lado de Grahame até ela morrer e mais tarde, em 1986, escreveu o livro que dá o título a esta adaptação. Annette Bening personifica a infortunada intérprete de filmes clássicos como “Encruzilhada”, “Matar ou não Matar” ou “Cativos do Mal”, e Jamie Bell interpreta o seu apaixonado. Vanessa Redgrave e Julie Walters também surgem no elenco. (Estreia dia 8 de Fevereiro)

“Todo o Dinheiro do Mundo”

de Ridley Scott

Este é o filme do qual Kevin Spacey foi “apagado” e substituído por Christopher Plummer, após as acusações de assédio sexual feitas ao intérprete de “Beleza Americana”. Como “Todo o Dinheiro do Mundo” estava já concluído depois da decisão de “eliminar” Spacey, a produção teve que gastar 10 milhões de dólares para voltar a filmar as sequências em que Plummer o substituiu. A fita recria o rapto, pela Mafia calabresa, em Julho de 1973, de John Paul Getty III, o neto de 16 anos do multimilionário americano J. Paul Getty (Plummer), que não queria pagar o resgate exigido pelos sequestradores, apesar dos rogos do filho e da nora. (Estreia dia 8 de Fevereiro)

“A Morte de Estaline”

de Armando Iannucci

Uma sátira política muito negra sobre a luta pelo poder no interior do Comité Central do Partido Comunista da URSS, logo após a morte de Estaline, em Março de 1953. Armando Iannucci, crador e e realizador de séries de televisão como “I’m Alan Partridge”, “The Thick of It ” ou “Veep”, adapta, nesta produção anglo-francesa, o livro de banda desenhada do mesmo nome, da autoria de Fabien Nury e Thierry Robin. Entre os intérpretes, encontramos Steve Buscemi, Michael Palin, Jeffrey Tambor, Paddy Considine e Olga Kurylenko. A rodagem de “A Morte de Estaline” decorreu inteiramente em Inglaterra. (Estreia dia 15 de Fevereiro)

“Hostis”

de Scott Cooper

O “western” é dado regularmente como morto e enterrado, mas a verdade é que de vez em quando vai mostrando alguns sinais de vida. É o caso de “Hostis”, de Scott Cooper (“Crazy Heart”), passado perto do final do século XIX. Christian Bale interpreta um oficial de cavalaria veterano, que aceita uma última missão antes de deixar o activo: escoltar um chefe Cheyenne moribundo (Wes Studi) e a família deste através de território perigoso, cheio de Comanches hostis, até à reserva do Montana onde se irão instalar. Pelo caminho, junta-se-lhes uma jovem viúva (Rosamund Pike) cuja família foi massacrada pelos Comanches. (Estreia dia 15 de Fevereiro)

“15:17 Destino Paris”

de Clint Eastwood

No dia 2 de Agosto de 2105, três americanos, dois deles militares, que viajavam em França, frustraram um atentado terrorista num comboio Thalys de alta velocidade com destino a Paris, quando um marroquino tentou atacar os passageiros a tiro de arma de guerra e de pistola. Clint Eastwood foi buscar os três principais protagonistas do acontecimento – Anthony Sadler, Alek Skarlatos e Spencer Stone, que foram então condecorados pelo governo francês -, para se interpretarem a si próprios neste filme que não só reconstitui rigorosamente o atentado, como também conta a história das suas vidas, até ao dia de Verão em que entraram naquele comboio. (Estreia dia 15 de Fevereiro)

“Pequena Grande Vida”

de Alexander Payne

Imaginem que num futuro próximo, com o mundo a enfrentar uma crise de excesso de população, um grupo de cientistas consegue inventar uma forma de reduzir as pessoas até um tamanho de 13 centímetros, o que permite poupar recursos, energia, ganhar mais espaço e poluir menos o meio ambiente. E imaginem que se formam comunidades de pessoas que optaram por ser reduzidas e começar uma nova vida em tamanho reduzido, sozinhas, com as famílias e até com amigos e vizinhos. Esta é a premissa do novo filme de Alexander Payne, uma comédia de ficção científica com Matt Damon, Kristen Wiig, Alec Baldwin, Christoph Waltz, Neil Patrick Harris e Joaquim de Almeida. (Estreia dia 22 de Fevereiro).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site