Rádio Observador

Turismo

Metade das receitas turísticas em 2017 foi alcançada em época baixa

De acordo com a secretária de Estado do Turismo, o ano de "2017 foi de facto histórico pelo crescimento das receitas" e porque se conseguiu ultrapassar o mito da sazonalidade.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Metade das receitas turísticas nacionais foram arrecadadas em época baixa durante 2017, o que demonstra que é possível ultrapassar o “mito da sazonalidade” turística em Portugal, disse esta quarta-feira, em Fátima, a secretária de Estado do Turismo.

O ano de “2017 foi de facto histórico pelo crescimento das receitas, com um crescimento de 19,4%, mas principalmente porque conseguimos todos demonstrar que há mitos que é possível ultrapassar, nomeadamente o mito da sazonalidade”, afirmou aos jornalistas Ana Mendes Godinho.

Em declarações à margem de um seminário promovido pela Associação Empresarial Ourém — Fátima (ACISO), a governante disse que os dados disponíveis até final de outubro apontam para que 50% das receitas turísticas em 2017 tenham sido produzidas “nos meses de época baixa”, o que prova que “é possível trabalhar para alargar a atividade ao longo de todo o ano”.

Mas tivemos também a atividade turística a alastrar ao longo de todo o território. Tem sido essa a nossa preocupação, garantir que alargamos a atividade turística ao longo de todo o ano e a todo o território”, reafirmou Ana Mendes Godinho.

A secretária de Estado sustentou que o turismo religioso tem sido “fundamental” na estratégia de garantir atratividade a todo o país, destacando o ano de 2017 na Cova da Iria — com a visita do papa Francisco e as comemorações do Centenário das Aparições — que permitiu “afirmar cada vez mais internacionalmente Fátima como um destino turístico de referência” e atingir mercados onde Portugal não conseguia chegar, como a Coreia do Sul ou as Filipinas e outros destinos como a Polónia, Itália, EUA ou Brasil.

“Fátima ser também um instrumento de promoção de Portugal nestes destinos e ser também um símbolo de Portugal como um país tolerante, aberto a todos, ecuménico, é um sinal político deste país que consegue ligar continentes e ser um país aberto ao mundo”, argumentou.

Questionada sobre se ao nível de turismo religioso, o ano passado não foi um fenómeno isolado, fruto da visita papal, Ana Mendes Godinho respondeu que, em 2017 em Fátima, o turismo “aconteceu durante todo o ano”.

Não aconteceu só durante a visita do papa, aconteceu durante todo o ano porque também houve atividades e capacidade de criar eventos que trouxessem as pessoas aqui. O que temos de perspetivas para 2018 é que esta tendência chegou para ficar”, frisou a secretária de Estado.

Intervindo na sessão, Domingos Neves, presidente da ACISO, considerou que 2017 foi um ano “excecional para Fátima, por via do Centenário e da visita do papa”, estimando que o santuário da Cova da Iria tenha ultrapassado os oito milhões de visitantes. Domingos Neves estimou ainda que o número de dormidas, o ano passado, nos 71 estabelecimentos hoteleiros da cidade atinja 1,1 milhões, mais cerca de 300 mil do que em 2016.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)