566kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A entrevista de Santana Lopes em 20 tweets

Este artigo tem mais de 5 anos

Candidato a líder do PSD falou de Pacheco Pereira, tentou evitar o seu passado e deu algumas ideias para o futuro. A entrevista completa chega ao fim do dia, mas pode ler parte dela em alguns tweets.

A entrevista ao Observador, esta manhã, começou pela revelação deixada na noite anterior por Pacheco Pereira. Afinal Santana Lopes encontrou-se com ele no hotel da Lapa para fundar um novo partido? A primeira resposta de Santana não podia ter sido mais radical no desmentido: “Isso era tão provável como o presidente da Coreia do Norte dizer que queria ir ao cinema com o presidente Trump”. Mas o candidato a líder do PSD admitiu que houve um encontro e, a dada altura, também assume que a ideia lhe passou pela cabeça, fazendo logo o seu acto de contrição: “O pensamento é o pecado mais ligeiro.”

No estúdio do jornal — a partir do qual a entrevista foi emitida em direto no facebook — Santana tentou contornar as questões sobre o seu passado como primeiro-ministro, desdramatizando “trapalhadas” desse período: “Foi um encontro de meninos de coro, algo absolutamente imaculado ao pé do que o país passou depois”.

Na conversa de 42 minutos e cujo texto completo vai estar disponível ao fim do dia no Observador, o antigo primeiro-ministro foi também questionado sobre o pagamento em massa de quotas no PSD, em vésperas de eleições diretas, e admitiu ter “conhecimento de quotas pagas no mesmo dia e até da mesma conta bancária“. Sobre esta matéria, atirou para a frente anunciando que, se for eleito líder, vai debater-se por legislação que controle as campanhas internas dos partidos.

As maiores críticas foram para António Costa (e não para o seu rival na luta interna, Rui Rio), que “foi mais longe do que Passos Coelho”, depois de o ter criticado por ir além da troika. E manifestou-se contra o uso de cativações como “um instrumento de política económica permanente”. Também disse o que fará se não ganhar as eleições à liderança do PSD que se realizam este sábado — para se candidatar, abandonou as funções como provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa — e falou naquilo a que gosta de se dedicar: reabilitar casas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Convidou ou não Pacheco Pereira para fundar um novo partido?

Passado como primeiro-ministro

Pagamento de quotas em massa e fiscalização das diretas

E uma futura luta com António Costa?

Propostas para o país

Eutanásia e o catolicismo

Centeno e os bilhetes que pediu para o futebol. Devia ter castigo?

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.