PSD

PSD. 13 mil militantes pagaram quotas no último mês

Um mês, mais 13 mil militantes. Com as eleições para a liderança do PSD a aproximarem-se, regista-se uma corrida ao pagamento de quotas entre militantes. Há, para já, 40 mil em condições de votar.

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

A corrida à liderança do PSD está a mexer com o aparelho social-democrata. De tal forma que no último mês houve cerca de 13 mil militantes a pagarem quotas para estarem em condições de votar no dia 13 de janeiro.

A informação é avançada pelo Jornal de Notícias, na edição desta sexta-feira. De acordo com aquela publicação, são agora 40 mil os militantes em situação regular. Sem considerar os militantes suspensos, estes 40 mil militantes representam um universo de 22,5%. Contas feitas, o próximo líder do PSD (e, por inerência do cargo, candidato a primeiro-ministro) será escolhido por menos de um quarto dos militantes do partido.

A 15 de novembro a situação era pior: dos 215.883 militantes do PSD, apenas 28 mil militantes tinham as quotas em dia, cerca de 12,5%. Na candidatura de Rui Rio soaram os alarmes: um fenómeno desta dimensão pode ser terreno fértil para o caciquismo e o pagamento em massa de quotas. Na altura, em declarações ao mesmo Jornal de Notícias, a candidatura de Pedro Santana Lopes desvalorizou essa hipótese.

Um mês depois desta primeira radiografia ao partido, o número de militantes com quotas em dia aumentou cerca de 10%, uma evolução elogiada pelos dois candidatos.

A corrida ao pagamento de quotas notou-se principalmente no distrito do Porto, onde mais de 3 mil sociais-democratas decidiram regularizar a situação. A distrital do PSD/Porto decidiu manter-se imparcial na corrida à liderança do partido, mas António Bragança Fernandes, presidente daquele órgão, já garantiu que vai apoiar Pedro Santana Lopes. Miguel Seabra, da concelhia do PSD/Porto, é próximo de Rui Rio e António Tavares, candidato à sucessão de António Bragança Fernandes e provedor da Santa Casa de Misericórdia do Porto, é um dos homens mais próximos do antigo presidente da Câmara do Porto.

No distrito de Aveiro, o número de militantes cresceu para mais do dobro, passando de um universo de 2.360 militantes para 4.735. A distrital do PSD/Aveiro é controlada por Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio. Além disso, a cidade de Aveiro foi escolhida pelo antigo autarca para apresentar a candidatura à liderança do partido.

Fenómeno semelhante aconteceu no distrito de Vila Real: o número de militantes com quotas em dia passou de 1014 para 2006. A distrital do PSD/Vila Real, liderada por Alberto Machado, também anunciou o apoio a Rui Rio.

No sul do país, a corrida parece estar a mobilizar menos militantes. A exceção é Lisboa, que ganhou num mês 1400 militantes. A disputa territorial em Lisboa tem sido feita ao centímetro: Rodrigo Gonçalves, homem forte do aparelho social-democrata e líder interino da concelhia do PSD/Lisboa apoia Rio; Pedro Pinto, líder da distrital do PSD/Lisboa, apoia Santana.

Mas o número ainda pode crescer: o prazo para o pagamento de quotas termina esta sexta-feira, dia 14 de dezembro, e as duas candidaturas estimam que o número de militantes possa crescer para 45 a 50 mil.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
134

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
259

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)