PSD

PSD. 13 mil militantes pagaram quotas no último mês

Um mês, mais 13 mil militantes. Com as eleições para a liderança do PSD a aproximarem-se, regista-se uma corrida ao pagamento de quotas entre militantes. Há, para já, 40 mil em condições de votar.

HUGO DELGADO/LUSA

A corrida à liderança do PSD está a mexer com o aparelho social-democrata. De tal forma que no último mês houve cerca de 13 mil militantes a pagarem quotas para estarem em condições de votar no dia 13 de janeiro.

A informação é avançada pelo Jornal de Notícias, na edição desta sexta-feira. De acordo com aquela publicação, são agora 40 mil os militantes em situação regular. Sem considerar os militantes suspensos, estes 40 mil militantes representam um universo de 22,5%. Contas feitas, o próximo líder do PSD (e, por inerência do cargo, candidato a primeiro-ministro) será escolhido por menos de um quarto dos militantes do partido.

A 15 de novembro a situação era pior: dos 215.883 militantes do PSD, apenas 28 mil militantes tinham as quotas em dia, cerca de 12,5%. Na candidatura de Rui Rio soaram os alarmes: um fenómeno desta dimensão pode ser terreno fértil para o caciquismo e o pagamento em massa de quotas. Na altura, em declarações ao mesmo Jornal de Notícias, a candidatura de Pedro Santana Lopes desvalorizou essa hipótese.

Um mês depois desta primeira radiografia ao partido, o número de militantes com quotas em dia aumentou cerca de 10%, uma evolução elogiada pelos dois candidatos.

A corrida ao pagamento de quotas notou-se principalmente no distrito do Porto, onde mais de 3 mil sociais-democratas decidiram regularizar a situação. A distrital do PSD/Porto decidiu manter-se imparcial na corrida à liderança do partido, mas António Bragança Fernandes, presidente daquele órgão, já garantiu que vai apoiar Pedro Santana Lopes. Miguel Seabra, da concelhia do PSD/Porto, é próximo de Rui Rio e António Tavares, candidato à sucessão de António Bragança Fernandes e provedor da Santa Casa de Misericórdia do Porto, é um dos homens mais próximos do antigo presidente da Câmara do Porto.

No distrito de Aveiro, o número de militantes cresceu para mais do dobro, passando de um universo de 2.360 militantes para 4.735. A distrital do PSD/Aveiro é controlada por Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio. Além disso, a cidade de Aveiro foi escolhida pelo antigo autarca para apresentar a candidatura à liderança do partido.

Fenómeno semelhante aconteceu no distrito de Vila Real: o número de militantes com quotas em dia passou de 1014 para 2006. A distrital do PSD/Vila Real, liderada por Alberto Machado, também anunciou o apoio a Rui Rio.

No sul do país, a corrida parece estar a mobilizar menos militantes. A exceção é Lisboa, que ganhou num mês 1400 militantes. A disputa territorial em Lisboa tem sido feita ao centímetro: Rodrigo Gonçalves, homem forte do aparelho social-democrata e líder interino da concelhia do PSD/Lisboa apoia Rio; Pedro Pinto, líder da distrital do PSD/Lisboa, apoia Santana.

Mas o número ainda pode crescer: o prazo para o pagamento de quotas termina esta sexta-feira, dia 14 de dezembro, e as duas candidaturas estimam que o número de militantes possa crescer para 45 a 50 mil.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
171

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
378

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Assembleia Da República

Teoria geral do inconseguimento

Laurinda Alves
105

Todos sabemos que uma coisa é a lei e outra a ética. A cegueira moral pode ser legislada, mas a ética tudo vê e tudo sabe. A lei permite, mas a consciência não. Essa é a voz que nunca se cala.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site