“Perguntei-lhe por que carga de água eles queriam ter mais filhos e ela [Louise Turpin] disse-me que estavam na esperança de ter um reality show“, revelou Billy Lambert, irmão de Louise, numa entrevista ao The Sunday People. O casal Turpin tinha, pelo que se sabe, 13 filhos — que torturaram e mantiveram acorrentados e subnutridos na ‘casa dos horrores’, na Califórnia. E pensavam ter, pelo menos, mais um: “No mês passado, a Louise disse-me que ela e o David estavam a pensar em ter outro filho”.

Ela [Louise] costumava dizer como seriam perfeitos para a televisão e referia várias vezes que seriam maior do que o reality show «Kate Plus 8». Achava que o mundo ia ficar fascinado com as sua vidas“, contou Lambert.

Sabe-se agora que era um sonho do casal Turpin criar um reality show com uma dimensão maior do que o “Kate Plus 8” — um programa norte-americano do canal TLC que acompanha a vida de Kate Gosselin e os seus oito filhos. Queriam “fazer milhões” e tornarem-se um “nome conhecido”. É com base neste sonho que se justifica o facto de a família ter-se mudado, em 2010, do Texas para a Califórnia: “Para ficarem mais perto de Hollywood“, revelou o tio das crianças. “Eles não queriam saber das crianças. Só deles”, contou ainda o irmão de Louise.

[Veja aqui o vídeo com as mais recentes revelações sobre o que se passava na casa dos horrores californiana]

[jwplatform SPIVoa5l]

Agora, o sonho dos Turpins está longe de se concretizar: a filha de 17 anos do casal conseguiu fugir da ‘casa dos horrores’ e denunciar a “história macabra” às autoridades — que Lambert considera “abominável”. Os pais foram detidos e enfrentam agora uma pena até 94 anos de prisão. “São uns animais”, disse o tio das crianças, acrescentando que espera que “nunca mais sejam libertados”. Lambert confessou que não se iria opor se ambos fossem condenados a pena de morte até porque, admite, a irmã “está morta” para ele. “O facto de os seus dois cães serem tratados melhor do que as crianças nunca vou perdoar. São eles que são uns animais”, disse Lambert.

David, o “doente” que via a cunhada a tomar banho e o “perverso” que fugiu com uma jovem de 16 anos

Na altura em que a família vivia no Texas, Lambert costumava visitar os sobrinhos. E recordou: “A educação deles era muito estranha, muito ao estilo militar”. Tal como testemunhos de outros familiares, Lambert também contou que as crianças não estavam “autorizadas a misturarem-se com outras crianças”. “Tudo o que faziam tinha a sua rotina”, revelou, acrescentando que “qualquer sinal de desobediência e eram punidos”.

Com o passar do tempo, Lambert deixou de ver os sobrinhos. Sempre que tentava, a mãe das crianças dava uma desculpa. “Com os avanços da tecnologia, pedia para falar com as crianças por Skype mas a Louise tinha sempre uma desculpa: «O computador está avariado» ou «a câmara não está a funcionar»”. Quando convidava a família para o irem visitar, tinha outra: “Levar as crianças todas no avião era muito caro”.

Na mesma entrevista, Lambert confirmou a história já revelada pela outra irmã, Elizabeth Flores, de que David, o pai das crianças, a via a tomar banho, na altura em que viveu durante uns meses com a família, enquanto andava na universidade, no Texas. “A Elizabeth estava tão assustada que manteve isso para ela mas agora estamos a juntar as peças”, contou, acrescentando que o cunhado é “claramente muito doente”.

“Ele [David] controlava tudo e a minha irmã Louise deixou-se ficar e foi indo na onda dele”, disse Lambert, não deixando de considerar que “eles são ambos culpados pelo que aconteceu”. O tio das crianças recordou ainda que a irmã fugiu com David quando tinha 16 anos e ele tinha 23: “Ele claramente tinha um desejo por estudantes. Talvez ainda o tenha. É simplesmente perverso. Ele é perverso”.