Auto

Carros elétricos: 7 razões para dar o passo

165

A procura está a crescer. A oferta, também. Um casamento perfeito, de olhos postos no futuro. Já escolheu o seu próximo carro?

Getty Images

Os tempos são de mudança. E o setor automóvel não é exceção. Os desafios colocados pelo combate às alterações climáticas, a poluição nos centros urbanos e o desenvolvimento da tecnologia, entre outros fatores, traçam um novo conceito de mobilidade, do qual fazem parte os carros elétricos.

A venda de veículos elétricos em Portugal duplicou de 2016 para 2017. A percentagem ainda não chega aos 2 por cento, mas está na média dos valores médios europeus, e só tem um caminho pela frente: continuar a conquistar espaço no mercado.

Hoje, trocar um automóvel movido a combustíveis fósseis por um carro elétrico é um gesto amigo do planeta, das cidades e da população. Quase meio milhão de pessoas morre anualmente em consequência de doenças respiratórias e cardiovasculares provocadas pela má qualidade do ar, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente.

Se está na altura de comprar ou trocar de carro, já pensou em optar por um elétrico, com zero emissões, sem gastos em combustíveis e mais uma mão cheia de vantagens para si e para quem está à sua volta?

Existem modelos para todos os bolsos, gostos e feitios. Elétricos ou híbridos. Novos ou usados. Mais, ou menos, citadinos. Cada vez mais autónomos, conetados, confortáveis, potentes, silenciosos e, sempre, amigos do ambiente.

As vantagens estendem-se aos incentivos fiscais. Um veículo 100% eléctrico não paga ISV (Imposto Sobre Veículos) e o proprietário te direito a uma redução do IUC (Imposto Único de Circulação). As empresas ficam isentas de Tributação Autónoma e ainda deduzem o IVA.

Começamos por escrever que os tempos são de mudança. E a mudança traz as oportunidade. Já pensou em agarrar a sua?

Partilhamos consigo 7 boas razões que o levarão a decidir dar uma oportunidade a um carro elétrico.

  1. O diesel e a gasolina têm os dias contados. Vários países já anunciaram que vão proibir a venda de carros com motor de combustão até 2050, entre eles, a França, a Alemanha, a Holanda, a Noruega e o Reino Unido.
  2. A manutenção de um carro elétrico sai mais barata do que a de um carro movidos a combustíveis fósseis. Não precisam da manutenção frequente do motor, como as mudanças regulares de óleo, por exemplo.
  3. A utilização sai mais barata. Enquanto um carro a gasolina gasta, no mínimo, quase 10€ por cada 100 kms, e um carro a diesel gasta cerca de 7€ para os mesmos quilómetros, um elétrico consome o equivalente a cerca de 2€ aos 100 kms. Experimente multiplicar pelo número de quilómetros que faz num ano e tire as suas conclusões.
  4. O carregamento já não é um problema. Os carros elétricos podem ser carregados em casa ou no trabalho, a partir de uma tomada convencional. Além disso, a rede pública de carregamento é hoje composta por mais de 500 postos, entre os quais os de carregamento rápido. Além disso, a autonomia destes carros é cada vez maior.
  5. Grande parte dos carros elétricos têm um sistema de travagem regenerativa, que permite recarregar a bateria enquanto trava.
  6. Conduzir um carro elétrico é uma experiência agradável. São mais silenciosos, sem sistema de escape, e com uma condução mais suave do que de um carro tradicional. Mesmo nas maiores acelerações, não é necessária a preocupação com a caixa de velocidades.
  7. A última razão, ou talvez a primeira. Os carros elétricos têm zero emissões, contribuindo para um planeta mais verde.

O planeta – e o seu bolso – agradecem.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)