Raul Schmidt é um dos arguidos da Operação Lava Jato e foi capturado este sábado em Portugal pela Polícia Judiciária, avança o semanário Sol. Foi detido pela Unidade de Nacional de Combate à Corrupção, no concelho do Sabugal. Era procurado pelas autoridades brasileiras desde segunda-feira, depois de os tribunais portugueses terem confirmado que seria extraditado para o Brasil.

Schmidt não respeitou as medidas de coação que lhe foram impostas e ausentou-se sem autorização. Foi encontrado junto ao Sabugal, por volta das 14h30, a mais de 250 quilómetros da residência habitual, apurou o i/Sol.

O empresário luso-brasileiro andava fugido à justiça brasileira desde julho de 2015, mas foi encontrado em Portugal em março de 2016. A justiça portuguesa decidiu que fosse extraditado para o Brasil e em dezembro desse ano voltou para o país de origem onde é suspeito dos crimes de corrupção e branqueamento de capitais e organização criminosa, no âmbito da operação Lava Jato.

As autoridades brasileiras consideram que Raul Schmidt agiu como intermediário de operações da Petrobras, que levaram ao recebimento indevido de comissões no valor de vários milhões de reais. Em março de 2016, o sócio do ex-diretor da Petrobras foi localizado pela Polícia Judiciária num apartamento de luxo em Lisboa. O suspeito teria centenas de obras de arte valiosas em casa.